quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Ordenadores Nacionais decidem prosseguir com procedimentos de governação para maior eficácia da cooperação com União Europeia 

Os Ordenadoress Nacionais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor Leste (PALOP- TL), prometem prosseguir com procedimentos de governaço nos respectivos Estados, para garantir mais eficácia, eficiência, impacto e visibilidade à cooperaçao com a União Europeia.

A promessa consta na Declaração de Bissau lida esta quinta-feira pelo Ministro das Finanças da Guiné-Bissau, João Aladje Mamadu Fadia, no final da XIV reunião dos PALOP-TL que decorreu na capital guineense.

O documento refere que os ordenadores se comprometem a envidar esforços para a adequada implementação dos projectos relativos 11º Fundo Europeu de Desenvolvimento(FED), visando o pleno alcance dos resultados esperados.

Reafirmaram a vontade politica para fortalecer a cooperação entre os PALOP-TL, visando também o fortalecimento da cooperaçao com a União Europeia em áreas de interesse comum e em particular no quadro do novo instrumento de vizinhança para desenvolvimento.

A Declaração de Bissau destacou a necessidade de identificação das futuras áreas de cooperação e da concentração nas três áreas de intervenção, nomeadamente, o Estado de Direito, a governação económica e financeira e geração do emprego na área da cultura.

Para o efeito, o documento anuncia o início de formulação de projectos nas áreas do Estado de Direito e da governação económica e financeira, no inicio do 2022.

A Declaração de Bissau assinalou a transferência da Presidência da organização para a Guiné-Bissau.
Rispito.com/ANG/MI/ÂC//SG, 25/11/2021

quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Três candidatos à liderança do Supremo Tribunal de Justiça

Bissau,24 nov 21(ANG) - A comissão eleitoral para as eleições do presidente do Supremo Tribunal de Justiça admitiu terça-feira três candidaturas para a liderança daquele órgão judicial, cujas eleições estão marcadas para 10 de dezembro.

Segundo a deliberação, divulgada à imprensa, a lista provisória de candidatos inclui os juízes conselheiros Osíris Francisco Pina Ferreira, José Pedro Sambú e Juca Armando Nancassá.

A deliberação determina igualmente que 11 juízes conselheiros e um juiz desembargador têm capacidade eleitoral ativas nos "termos da lei orgânica dos tribunais de justiça".

O Conselho Superior da Magistratura Judicial da Guiné-Bissau marcou no passado dia 12 para dia 10 de dezembro a eleição para a escolha do novo presidente do Supremo Tribunal de Justiça.

Segundo uma deliberação, o plenário do Conselho esteve reunido para analisar a nova data de eleição no Supremo Tribunal, que tem sido objeto de polémicas entre magistrados e o parlamento, que viu dois dos seus representantes substituídos no órgão.

Os magistrados que integram o Conselho também mantêm uma acesa polémica com o atual presidente interino do Supremo Tribunal, Lima André, que por inerência preside ao conselho, por causa da forma como deve ser conduzida a eleição para a escolha do novo presidente.

A comissão dissolvida entrou em rota de colisão com o Conselho Superior da Magistratura Judicial a partir do momento em que indeferiu a candidatura de José Pedro Sambu, atual presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) por, alegadamente, não ter completado cinco anos como juiz conselheiro e nunca ter tomado posse para aquelas funções.

O Supremo Tribunal devia ter eleição no passado dia 04 deste mês, mas divergências entre o Conselho Superior da Magistratura Judicial e o colégio que deveria presidir ao pleito levaram a que Lima André ordenasse a dissolução do órgão e a criação de um novo que agora vai liderar o processo no dia 10 de dezembro.

A eleição no Supremo Tribunal guineense vai ocorrer em virtude do falecimento no dia 11 de agosto, por doença, de Mamadu Saído Baldé que tinha sido eleito presidente do órgão no mês de maio.
Rispito.com/ANG/Lusa

FERNANDO GOMES SAI DE PGR E (RE)ENTRA BACARI BIAI

A recente demissão de Fernando Gomes das funções de Procurador-Geral da República (PGR) apanhou o país de surpresa, mas justifica-se com a falta de resultados no combate à corrupção e criminalidade organizada. 
Logo após a sua nomeação, Fernando Gomes impôs a si mesmo o prazo de 90 dias para recuperar todos os bens de Estado ilicitamente adquiridos por ex-titulares, Fernando Gomes era igualmente encarado como quem poderia ajudar o Presidente da República na luta contra os seus adversários. 

Um ano e seis meses depois, Fernando Gomes não acusou um único processo corrupção, nem recuperou qualquer bem do Estado (tanto móvel como imóvel) com agravante de colocar-se numa situação de extrema fragilidade quando recusou apresentar-se no Tribunal para o julgamento num processo de corrupção de que é acusado, que remonta ao período em que era ministro do Interior. 

A partir de então, Fernando Gomes, não só perdeu a dinâmica de falar de actos de corrupção no Ministério Público (MP) como também contribuiu na crise interna no MP devido às divergências entre ele e magistrados na titularidade de processos judiciais, que resultara na falta de magistrado para assumir determinados processos considerados de perseguições políticas.

Em dois destes processos, com falta de magistrado titular, Fernando Gomes foi forçado a recorrer à sua vice-Procurador, Maria Manuela Lopes Mendes, para que assumisse os mesmos. Como consequência da falta de sintonia com os magistrados, Fernando Gomes provocou, contra seu grado, o aparecimento de um segundo sindicato no Ministério Público aquando de ser acusado de "dividir para poder reinar". 

A demissão de Fernando Gomes acabou por ser facilitada pela falta de actuação no processo do polémico avião A340 estacionado no Aeroporto. Cerca três semanas depois, o Ministério Público através da Polícia Judiciária ainda não entrou em cena. 
Um dia antes da sua demissão, o Gabinete de Assessoria e Relações Públicas do MP emitiu um comunicado que adverte que o avião não está relacionado com a 'Operação Red, que investiga o desaparecimento em Bissau de 900 quilogramas de droga, e que os suspeitos estão detidos. 

Esse posicionamento, segundo fontes próximas à Presidência, acabou por precipitar a demissão do PGR, tendo em conta que o Presidente da República (PR) entende que há falta de acção dos órgãos de investigação criminal. Segundo o PR afirmou, a questão do avião deve ser investigada de forma séria pelas autoridades competentes, tendo em conta que a polémica em torno deste caso visa desviar atenções no combate a corrupção e ao crime organizado.

Entretanto segunda-feira 22 de Novembro, o Presidente da República conferiu posse ao novo Procurador-Geral da República, Bacari Biai. No acto de posse, o Chefe de Estado recomendou ao novo titular de trabalhar no combate a corrupção. 
Umaro Sissoco Embaló vincou que, enquanto estiver a frente da Presidência, nenhum responsável do aparelho do Estado praticará actos de corrupção. 

Por sua vez, Bacari Biai, sancionado pela CEDEAO em 2018 por perseguição política contra adversários políticos do então chefe de Estado, José Mário Vaz, prometeu que o seu regresso ao MP visa ajudar na aplicação das leis no país. Biai que viu a sanção da CEDEAO ser levantada só depois das eleições de 2019, disse no acto de posse que, o momento é de acção e não de palavras, pelo que neste momento vai ajudar no cumprimento das metas traçadas. 

Fernando Gomes, que foi nomeado Conselheiro do Presidente da República com direitos e regalias ao ministro de Estado, deixou entender na sua intervenção que não foi consultado para a função. Gomes contou que pouco depois de apresentar o pedido de demissão no cargo de PGR "por questões pessoais", recebeu uma chamada de um "colega a felicitá-lo pelas novas funções". No entanto, Fernando Gomes assegurou estar disponível para continuar a servir o país.
Rispito.com/e-Global, 24/11/2021

terça-feira, 23 de novembro de 2021

USE exalta importância de ONU se associar ao Movimento Cívico das Mulheres e Juventude da CEDEAO

O Presidente da República realçou hoje que associar-se ao Movimento Civico das mulheres e juventude no espaço CEDEAO é uma das iniciativas mais acertadas das Nações Unidas porque “é a mulher que melhor sabe enraizar, na famÍlia, a cultura de paz e diálogo”.

O chefe de Estado Umaro Sissoco Embaló falava na cerimónia de abertura da conferência sobre Programa das Mulheres, Paz e Segurança, que decorre em Bissau,sob o tema, ʺDia Aberto Género, Mulheres, Juventude, Paz e Segurança.

ʺAssociar a mulher e juventude ao Movimento Civico das mulheres, que se estende até o Sahel, em prol da paz e segurança, é uma das iniciativas mais acertadas das Nações Unidas, porque é a mulher que melhor sabe enraizar, na famÍlia, a cultura de paz, do dialógo insubstituível, e uma cultura de compromisso indispensável à estabilidade das instituições e da sociedade em geral”, defendeu.

Disse que, pela juventude, é preciso conjugar o imperativo de se consolidar a paz e segurança dos países no espaço da CEDEAO até ao Sahel com a sensibilidade da mulher e a disponibilidade da juventude.

Para o representante especial do Secretário-geral das Nações Unidas para África e Sahel, Mahamat Saleh Annadif , a contribuição das mulheres é essencial para a criação das sociedades resilientes e pacíficas sobre planeta sã.

Annadif reiterou que a promoção dos direitos e liberdades das mulheres e da juventude, em particular as que vivem nas zonas rurais das suas regiões, é uma prioridade para as Nações Unidas.

Para Jean Marie Quipela, coordenador do Sistema das Nações Unidas para Guiné-Bissau, a presença do Presidente Umaro Sissoco Embalo na cerimónia traduz o interesse que o Estado guineense atribui a promoção e a inclusão das mulheres e da juventude no desenvolvimento da socideade guineense.

ʺHà cerca da duas decadas atrás o Conselho de Seguança das Nações Unidas adoptou uma resolução histórica que abordava o papel chave das mulheres na concepção da manutenção da paz no mundo”, salientou.

Afirmou que, esse acordo denominado 1325 refere-se ao impacto desproporcional da guerra nas mulheres, e reconhece o papel chave que a mulher tem no desenvolvimento da paz e segurança.

A conferência sobre género, mulheres, juventude, paz e segurança conta com a particpação de 16 países membros da CEDEAO e Sahel.                                          
Rispito.com/ANG/MI/ÂC//SG , 23/11/2021   

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Embaixador brasileiro em Bissau obrigado a regressar devido a comentários racistas da esposa

O embaixador do Brasil na Guiné-Bissau, Fábio Franco, foi obrigado a regressar ao país na semana passada dois anos antes do fim da sua missão na sequência de denúncias de racismo e interferência da sua esposa na missão diplomática.

O jornal Folha de São Paulo revela que a decisão foi tomada pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil após uma investigação a denúncias feitas contra Shirley Carvalhêdo Franco.

O jornal, que cita fontes conhecedoras do processo, indica que Shirley praticava assédio moral, proferia ofensas racistas, teria chamado os guineenses de “macacos” e dito que eles “só servem para fazer sexo, não para trabalhar”.

Um das pessoas que fizeram a denúncia afirmou que, na residência oficial, os trabalhadores tinham que levantar os braços ao chegar, para serem “desinfetados” com álcool, e que Shirley ameaçava atirar soda cáustica em todos “porque fediam (cheiravam mal)”.

Uma empregada revelou que a então embaixatriz afirmou que “usaria a chibata (vara)” contra os funcionários.

Antes as denúncias, o Ministério das Relações Exteriores instaurou uma investigação que resultou na assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta no passado dia 8, no qual o embaixador Fábio Franco, segundo o jornal, declarou “reconhecer a inadequação da sua conduta” e aceitou regressar ao Brasil dois anos antes do fim da missão.

Franco tinha sido confirmado para o cargo em 2018.

O Governo brasileiro não se pronunciou sobre o caso nem as autoridades guineenses.
Rispito.com/VOA, 19/11/2021

quinta-feira, 18 de novembro de 2021

PR dá posse a 7 novos juízes do Supremo Tribunal Justiça

O Presidente da República da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, deu hoje posse a 7 novos juízes do Supremo Tribunal de Justiça.

Sem se referir à situação política do país, o Presidente Umaro Sissoco Embaló afirmou que os juízes do Supremo Tribunal de Justiça têm aqui uma nova oportunidade para resgatar a credibilidade do órgão e voltar a ganhar a confiança dos guineenses.

O chefe de Estado disse que a Supremo Corte Judicial guineense caiu no descrédito nas últimas eleições presidenciais que o próprio disputou numa segunda volta com Domingos Simões Pereira.

"No último período eleitoral, em 2019, o Supremo Tribunal de Justiça, como todos sabem, esteve longe de satisfazer as expectativas legítimas da nossa comunidade. Naquele momento, politicamente muito crítico, para a democracia e para a estabilidade política para o nosso país, o STJ não esteve à altura das suas reponsabilidades, falhou", começou por referir o Presidente.

Umaro Sissoco Embaló recordou depois o período de crise que o país viveu devido à polémica em torno da eleição do novo Presidente do Supremo Tribunal de Justiça.
Rispito.com/RFI, 18-11-2021

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

Presidente da Guiné-Bissau propôs ao Conselho de Estado dissolver o Parlamento

Sem a presença do primeiro-ministro, o órgão consultivo do Presidente da República recomendou a Umaro Sissoco Embaló seguir o processo imposto na Constituição

O Presidente da Guiné-Bissau propôs ao Conselho de Estado reunido nesta quarta-feira, 17, dissolver a Assembleia Nacional Popular (ANP) e convocar eleições antecipadas, mas o órgão de consulta do Chefe de Estado recomendou a Umaro Sissoco Embaló seguir o processo constitucional, disseram à VOA fontes do encontro que pediram o anonimato.

Depois de ter avançado com a proposta no encontro, ao qual faltou o primeiro-ministro Nuno Gomes Nabiam, o Presidente aceitou a opinião dos conselheiros que lhe recomendaram voltar atrás e ouvir todas as partes envolvidas, nomeadamente os partidos políticos, antes de convocar, outra vez, o Conselho de Estado.

As mesma fontes acrescentaram que, depois de analisar a situação política e social do país, tema principal da reunião, Embaló decidiu avançar com o processo.

Nos próximos dias, o Presidente da República vai contactar os partidos políticos e outros orgãos de soberania e, segundo as mesmas fontes, deverá então reunir o Conselho de Estado antes de dissolver o Parlamento.

Após a dissolução da ANP, as eleições legislativas têm de ser realizadas num período de 90 dias.

Tensão com primeiro-ministro
O primeiro-ministro, membro por direito próprio do Conselho de Estado, órgão de consulta do Presidente da República, não justificou a ausência.

Entretanto, nos círculos políticos de Bissau é já evidente o mal-estar entre o Presidente da República e o primeiro-ministro.

Durante o acto comemorativo do Dia das Forças Armadas na terça-feira, 16, Umaro Sissoco Embaló não cumprimentou Nuno Gomes Nabiam, nem à entrada do estádio, onde o primeiro-ministro foi recebê-lo, nem na tribuna de honra, embora tenha saudado as demais personalidades antes de discursar. Também no discurso, não se referiu ao chefe do Governo, embora o tenha feito em relação aos visitantes estrangeiros.

Questionado por jornalistas, Gomes Nabiam desdramatizou esse tenso clima político e disse que a sua relação com o Chefe de Estado é normal e que não está agarrado ao poder.
“Ninguém exerce funções de Estado pensando que é permanente. Portanto qualquer dia Nuno vai sair como primeiro-ministro e virá outro primeiro-ministro”, disse à imprensa ontem.

Antes, no domingo, 14, à chegada a Bissau, o Presidente disse a jornalistas para esperarem pela “reacção” dele nesta quarta-feira, 17, dia em que se realizaria uma reunião do Conselho de Estado e voltou a admitir demitir o Governo.

“Não posso permitir desordem. O país está a enfrentar greves permanentemente que, de certa forma, é desgastante”, afirmou o Presidente guineense, para quem o primeiro-ministro não foi eleito. “Fui eu que fui eleito. Há limites. Não vou ser aquele Presidente...”, referiu.

Na segunda-feira, por seu lado, o primeiro-ministro comunicou ter convidado uma equipa estrangeira para investigar o caso do avião “misterioso”, depois de, no dia anterior, Embaló ter informado que o avião é de uma empresa da Gâmbia que quer operar na Guiné-Bissau e que “não são bandidos”.
Rispito.com/Lusa, 17/11/2021

PM da Guiné-Bissau ausente do Conselho de Estado convocado por Presidente da República

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau esteve hoje ausente da reunião do Conselho de Estado convocada pelo Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, disse o porta-voz daquele órgão de consulta do chefe de Estado, Delfim da Silva.

Numa curta declaração feita aos jornalistas no final do encontro, Delfim da Silva, que é conselheiro do Presidente para os assuntos políticos, disse que na reunião foi abordada a situação política e social do país.

O conselheiro não deu mais pormenores sobre o encontro. Questionado pela Lusa se todos os conselheiros estiveram presentes na reunião, Delfim da Silva disse que o primeiro-ministro esteve ausente, sem dar mais explicações.

O Conselho de Estado é um órgão de consulta do Presidente e é convocado pelo chefe de Estado.

O órgão consultivo é composto pelo presidente do parlamento, presidente do Supremo Tribunal de Justiça, primeiro-ministro, representantes dos partidos com assento parlamentar, e cinco cidadãos indicados pelo chefe de Estado.

Compete ao Conselho de Estado, entre vários assuntos, pronunciar-se sobre a dissolução do parlamento e aconselhar o Presidente no exercício das suas funções sempre que solicitado.
Rispito.com/Lusa, 17/11/2021

terça-feira, 16 de novembro de 2021

GRAVE INCIDENTE POLÍTICO NO DIA DAS CELEBRAÇÕES DA INDEPENDÊNCIA

O Presidente da República da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embalo, não saudou o Primeiro-Ministro Nuno Gomes Nabiam, deixando-o de braços estendidos, durante a sua entrada no Estádio Nacional 24 de Setembro, onde decorreu a cerimónia oficial das celebrações do Dia das Forças Armadas da Guiné-Bissau, criadas a 16 de Novembro de 1964 e dos 48 anos da independência do país, respetivamente.

De acordo com o repórter da Rádio Jovem presente no local, durante a entrada do presidente no estádio, este saudou os membros do governo presentes, deixando de lado o Primeiro-Ministro Nuno Gomes Nabiam, situação que demostra a existência de um provável desentendimento, como se tem ouvido, entre o chefe de Estado e do Governo.

No seu discurso oficial sobre o Dia das Forças Armadas Revolucionárias do Povo, Sissoco Embalo disse que as forças armadas desempenharam um papel glorioso durante a luta de libertação e isto é um marco histórico que as forças armadas devem assumir.

Sobre a comemoração da independência, Umaro Sissoco Embalo lembrou que o Estado guineense atravessou momentos políticos difíceis, durante os 48 anos após a independência e estas crises criaram enormes dificuldades na vida sócio-política do povo guineense e desde 2020 o país assumiu um novo ciclo político.

Umaro Sissoco Embalo promete ainda anunciar ao povo guineense, no dia 17 de Novembro, já amanhã, a sua decisão que vai definir o futuro do país e avisou recentemente ao primeiro ministro que pode ser demitido a qualquer momento, porque não ganhou as eleições legislativas.
Rispito.com/Radio Jovem, 16-11-20211

PGR da Guiné-Bissau rejeita ligação entre avião retido e tráfico de droga

A Procuradoria-Geral da República (PGR) da Guiné-Bissau clarificou hoje que o caso do avião retido pelo Governo guineense e a operação de combate ao tráfico de droga em curso no país, denominada "Red", não têm ligação.
"Este gabinete não confirma a sua ligação à operação denominada Red, sob alçada do Ministério Público, ou seja, os dois casos não têm nenhuma ligação", refere a PGR em comunicado divulgado à imprensa.

A Polícia Judiciária tem em curso uma investigação de combate ao tráfico de droga, no âmbito da qual já foram detidas várias pessoas, que visa desmantelar uma rede com ligações à Bolívia e que poderá ter feito entrar no país milhares de quilogramas de cocaína.

Paralelamente, o primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Gomes Nabiam, anunciou na segunda-feira (15.11) que decidiu instaurar uma investigação externa ao avião retido no aeroporto de Bissau desde 29 de outubro, por sua ordem, e pediu apoio da comunidade internacional.

Apoio da comunidade internacional
"Estancar o fluxo de passagem e transbordo de bens ilícitos especialmente armamento ilegal e drogas para a região da África Ocidental é um objetivo de altíssima prioridade para o Governo da Guiné-Bissau. Como parte dos esforços em curso, o gabinete do primeiro-ministro solicitou à comunidade internacional apoio na persecução desse objetivo, através da disponibilização de assistência e suporte", conclui-se no comunicado.

As Nações Unidas impuseram em 2012 um embargo para venda de armas à Guiné-Bissau.

O primeiro-ministro tinha criado a semana passada uma comissão interministerial que tinha até sexta-feira (12.11) para lhe entregar um relatório relativamente às circunstâncias de aterragem do avião e esclarecimentos sobre a carga que se traz a bordo.

Na mesma semana, o presidente da comissão de defesa e segurança da Assembleia Nacional Popular, o deputado José Carlos Monteiro, também se deslocou ao aeroporto para perceber a história do avião retido pelo Governo e informou o parlamento que o pedido de aterragem foi feito pela Presidência da República.

Ameaças de morte contra deputado
O deputado, do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), que se encontra atualmente em Lisboa, denunciou também ter sido vítima de ameaças de morte, tal como o presidente da Autoridade Nacional de Avião Civil.

Em declarações aos jornalistas no sábado (13.11), após uma viagem a França, o Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, afirmou que o caso do avião retido no aeroporto de Bissau, por ordens do Governo, é uma distração para desviar a atenção do problema da droga que está a combater no país.

Umaro Sissoco Embaló afirmou não existir nada de anormal com o aparelho que, disse, pertence a uma empresa estrangeira que pretende abrir um hangar de manutenção de aeronaves em Bissau.

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, já tinha sugerido ao Parlamento ajuda internacional para o esclarecimento dos contornos do caso do avião, que continua estacionado na zona militar do aeroporto internacional Osvaldo Vieira, em Bissau.
Rispito.com/DW, 16/11/2021

Sissoco pede unidade ao país para estabilidade e desenvolvimento

O Presidente guineense frisou, esta terça-feira (16.11), que "período longo e difícil" da história do país terminou com a sua tomada de posse. Sissoco diz também que reforma do Estado é "consensual" entre os partidos.
O Presidente da Guiné-Bissau Umaro Sissoco Embaló pediu, esta terça-feira (16.11), a unidade dos guineenses para concretizar o "desígnio nacional" de estabilidade e desenvolvimento do país.  

"Juntos, vamos fortalecer o Estado de Direito Democrático, estabilizar as nossas instituições políticas e desenvolver economicamente o nosso país, base sobre a qual o progresso social se constrói e se sustenta", afirmou o chefe de Estado, esta terça-feira (16.11), durante a cerimónia de comemoração de mais um aniversário das Forças Armadas guineenses e de celebração do dia da independência, que se assinalou em 24 de setembro, mas que Sissoco Embaló decidiu adiar por se encontrar em Nova Iorque, a participar na Assembleia-Geral das Nações Unidas. 

A celebração do dia da independência surge numa altura de tensão no país. Umaro Sissoco Embaló agendou, para esta quarta-feira (17.11), um Conselho de Estado sobre a atual situação política.

"Para a concretização desse verdadeiro desígnio nacional, todos os guineenses - os residentes e os que vivem e trabalham no estrangeiro -, todos eles, sem exceção, são chamados a participar. Como Presidente de todos os guineenses contem comigo, e eu conto com cada um de vós", afirmou Sissoco Embaló

O chefe de Estado lembrou também a juventude guineense "sacrificada" a quem enviou um abraço de "solidariedade" de "cumplicidade", salientando que o seu futuro tem de ser melhor do que foi nas "quase cinco décadas" da independência nacional. 

"Promessas falhadas"
"Muitas das promessas da independência, que acompanharam a minha geração, ficaram por concretizar. Limitadas oportunidades de formação, desemprego persistente, a dura experiência de frustração, de pobreza marcaram muito a minha geração", afirmou o Presidente. 

Segundo chefe de Estado, a Guiné-Bissau perdeu quase metade dos anos de independência mergulhada em "crises políticas" que provocaram "impactos negativos nas instituições políticas e na vida económica" do país com "reflexos sociais graves". 

"Foi um período longo e difícil que, só ficou encerrado pouco depois da realização das eleições presidenciais e da minha tomada de posse, no início de 2020. Desde então, a Guiné-Bissau soube recuperar plenamente as suas responsabilidades soberanas no concerto das nações", sublinhou.

Na mesma ocasião, Sissoco Embaló afirmou que a exigência de reforma do Estado é "consensual entre as forças políticas nacionais".

"A exigência de uma agenda de reforma do Estado tornou-se consensual entre as forças políticas nacionais. É uma necessidade que também os nossos parceiros da comunidade internacional reconhecem e até se disponibilizaram a cooperar connosco na conceção e implementação dessa agenda de reformas estruturantes", disse o chefe de Estado.   

"De crise política em crise política, a estrutura da nossa economia nacional cristalizou-se num modelo de crescimento assente numa quase monocultura da castanha de caju. Com uma diversificação pouco significativa e transformação local quase nula, o modelo vigente parece claramente esgotado", frisou o chefe de Estado, defendendo que o atual modelo económico "dificilmente poderá viabilizar a construção de um estado social", referindo-se às possibilidades de financiamento para desenvolver setores como a educação e a saúde, proteger a população mais desfavorecida e combater a pobreza. 

"Aqui reside - na estrutura económica do nosso país - as causas mais profundas, objetivas, da instabilidade que abala particularmente os setores do Estado socialmente mais significativos", disse.

Lembrando alguns progressos alcançados desde 2020, nomeadamente regularização do pagamento de salários a funcionários públicos, melhoramento de algumas infraestruturas e de alguns serviços de saúde e no fornecimento de água e luz, o Presidente considerou, contudo, que ainda falta um longo caminho a percorrer. 

"Mas, temos plena consciência de que, face aos graves e persistentes problemas económicos e sociais acumulados, há ainda um longo caminho a percorrer. É um caminho que só pode resultar em benefício geral se formos capazes de preservar a paz social por via do diálogo e da concertação entre todas as partes interessadas", salientou. 

Presidentes da Libéria e Senegal visitam Bissau
Participaram na cerimónia desta terça-feira (16.11), no estádio nacional 24 de Setembro, os presidentes do Senegal, Macky Sall, e da Libéria, George Weah, e representantes governamentais de vários países da sub-região. 

Presentes estiveram também o secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Zacarias da Costa, e o chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas de Portugal, almirante Silva Ribeiro, que paralelamente estão a realizar visitas oficiais ao país. 

"Tal como em 1973, hoje, esta Guiné-Bissau de 2021, também é uma promessa de paz, de concórdia nacional e de progresso social. Aprendemos com as lições do passado. E contamos, hoje, como ontem, com a solidariedade dos países irmãos e de toda a comunidade internacional para consolidarmos este ciclo político novo, de esperança renovada num futuro melhor", disse o chefe de Estado, que acrescentou que, desde que tomou posse, muitas "figuras ilustres" visitaram a Guiné-Bissau e a política externa ganhou um "dinamismo" que contribuiu para "elevar a autoestima nacional e abrir postas à cooperação internacional". 

"Os resultados nem sempre têm de ser imediatos, mas eles, de certeza, virão para o bem do nosso país", disse.
Rispito.com/DW, 16/11/2021

segunda-feira, 15 de novembro de 2021

USE diz tratar-se de uma distração para desviar atenção do problema da droga no país

O Presidente da República Umaro Sissoco Embaló, disse no sábado que o caso do avião retido no aeroporto de Bissau, por ordens do Governo, é uma distração para desviar a atenção do problema da droga que está a combater no país.

“Sobre o avião eu não sou bandido e nem ando com bandidos”, disse Umaro Sissoco Embaló em declarações aos jornalistas, quando chegava ao país, proveniente de França, onde esteve nos últimos três dias, em visita de trabalho.

Sem que os jornalistas perguntassem sobre o avião retido no aeroporto desde o passado dia 29 de outubro, Sissoco Embaló afirmou não existir nada de anormal com o aparelho, que, disse, pertence a uma empresa estrangeira que pretende abrir um hangar de manutenção de aeronaves em Bissau.

“Todo este filme é por causa do combate à droga e à corrupção que estou a levar a cabo e que vou continuar”, precisou Embaló, prometendo uma reação sobre a situação geral do país a seguir ao Conselho de Estado (órgão de consulta do Presidente da República), que marcou para o dia 17.

“Dia 17 vão ver a minha reação, porque tudo tem o seu limite”, sublinhou o Presidente guineense, realçando que nada de anormal se irá passar a seguir à sua decisão.

Umaro Sissoco Embaló garantiu que Kumba Ialá foi o último presidente a ser derrubado por um golpe militar na Guiné-Bissau e João Bernardo ‘Nino’ Vieira foi o último chefe de Estado a ser morto em funções.

O chefe de Estado garantiu que vai sair do Palácio da Presidência pelos seus próprios pés como fez o seu antecessor no cargo, José Mário Vaz.

Questionado sobre as suas atuais relações com o primeiro-ministro, Nuno Nabiam, que deu ordens de retenção do avião, Embaló disse ser ele o chefe de Estado e alguém que foi eleito pelos guineenses.

“O primeiro-ministro foi nomeado por mim, porque não ganhou as eleições para lá estar. No dia em que não o quiser, tiro-o. Quando José Mário Vaz não me quis, tirou-me e nada aconteceu. Eu não posso ter problemas com quem eu mando ou quem eu nomeio”, declarou Umaro Sissoco Embaló.

Ainda sobre o avião, disse que não se encontra retido e que se der ordem ao ministro da Defesa o aparelho vai levantar voo.

“Eu sou o comandante supremo das Forças Armadas”, destacou Embaló.
Rispito.com/Lusa, 15/11/2021

PR reconhece João Bernardo Vieira como um dos principais heróis da independência da Guiné e Cabo Verde

O Presidente da República (PR), reconheceu no domingo, o ex-Presidente da República João Bernardo Vieira(Nino), como um dos principais heróis, que deram a vida para a libertação da Guiné e Cabo Verde.

O reconhecimento de Umaro Sissoco Embaló foi feito na cerimónia da inauguração da Avenida João Bernardo Vieira, que havia sido batizada com o nome de Avenida dos Combatente de Liberdade da Pátria. Uma extensão de 7,5 quilómetros do Aeroporto Internacional à Mãe de Água, no Alto crim

O Presidente da República sustentou que esse reconhecimento das atuais autoridades não pode ser visto como um favor a alguém que denominou de “Gigante combatente”, que arrecadou histórias no período de libertação de Guiné e Cabo Verde.

Disse que o gesto é um reconhecimento d
o Estado guineense para o ex-combatente “João Bernardo Vieira” por tudo o que fez para conquistar a soberania nacional.

“A Avenida hoje inagurada, anteriormente foi batizado com o nome de Avenida 14 de Novembro, na época de mandato de Nino Vieira, recordando a história do golpe de 1980, que derrubou o regime de Luís Cabral, onde o Nino Vieira decidiu acabar, entre outros, com o genucídio, altura em que nós os guineenses estavamos a tirar a vida dos nossos irmãos”, explicou.

Acrescentou que na altura, Nino Vieira, viu que aquilo era incorreto e decidiu fazer um Movimento Reajustador para pôr fim a prática, no dia 14 de Novembro de 1980.

O chefe de Estado disse que nenhum filho da Guiné deve condenar o referido golpe militar de 14 de Novembro, sustentando que é uma data em que o ex-presidente Nino Vieira colocou fim à ondas de calúnias, matanças que no momento causavam magoas e sofrimentos aos guineenses.

Umaro Sissoco Embaló apelou aos guineenses para se renunciarem ao ódio, e procurarem ser uma “geração de concreto”, de concordia e paz, para o bem do país.

O Chefe de Estado pediu ao ex-primeira Dama Isabel Romano Vieira, presente na cerimónia para parar de chorar quando se fala do seu falecido marido.

“Penso que hoje é um dia muito importante para a viúva Isabel, porque inauguramos uma avenida que vai permitir que o nome do seu felecido marido, “Nino Vieira”, não seja esquecido pelos guineenses, e também pelos os estrangeiros residêntes no país”, sustentou o Chefe de Estado.

O nome Avenida 14 de Novembro havia sido substituido pela Avenida dos Combatentes da Liberdade da Pátria no mandato do ex-primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior
Rispito.com/ANG/LLA/AC//SG, 15/11/2021

“Cultura de ódio não deve fazer parte dos guineenses”, diz Presidente da República

O Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló defendeu hoje que a cultura de ódio e de violência não deve fazer parte da convivência dos guineenses.

Sissoco Embaló falava esta segunda-feira na inauguração da Avenida Malam Bacai Sanhá, no âmbito da celebração do Dia das Forças Armadas, que será assinalado terça-feira(16) em simultânio com o dia da independência do país, 24 de Setembro.

Na ocasião, Umaro Sissoco Embalo, considerou o ex-Presidente Bacai Sanhá, de um “homem humilde”e que morreu na humildade porque entendeu que a política não é o lugar para se enriquecer.

“Não sei se o Malam Bacai Sanhá tem outra casa além daquela que o Estado lhe deu. Também a sua humildade se nota na sua família”, salientou.

Pediu aos guineenses para não aceitarem a separação só por belo prazer de uma ou duas pessoas.

O ministro da Defesa Nacional e dos Combatentes da Liberdade da Pátria, Sandji Fati disse que é com “muito orgulho” que se inaugura hoje a Avenida Malam Bacai Sanhá, que diz ser um homem de tabanca mas que se revelou, frisando que falar desse homem é falar da história da Guiné-Bissau.

Para Sandji Fati chegou a altura em que o país tem de se reconciliar, para que impere a cultura do mérito, que segundo ele, significa que quem é melhor deve ser dado o que merece.

A esposa do falecido Presidente Bacai, Mariama Mané Sanhá agradeceu o gesto, e disse que o gesto do Presidente da República não é uma surpresa porque sabia que ia fazer alguma coisa para honrar a memória de alguém que considerou de seu pai (Malam Bacai Sanhá), uma vez que viveram juntos durante a sua estadia no exterior.

Segundo o Conselheiro Político do Presidente da República; Fernando Delfim da Silva, Malam Bacai Sanhá era o melhor quadro da sua geração.

“Bacai Sanhá foi o primeiro Presidente da Assembleia Nacional popular no regime da democracia e a subida de Sanhá para esse cargo foi gradual e sólida”, disse Delfim acrescentando que o país tem que ter uma política que honre as memórias e a identidade de pessoas cujas obras, seus passados e percusos merecem ser preservados.

A Avenida ora inaugurada com o nome do falecido Presidente da República, Malam Bacai Sanhá era denominada de Guerra Mendes, e liga as Alfândegas ao Prédio dos Antigos Combatentes no bairro de Antula
Rispito.com/ANG/DMG/ÂC//SG, 15/11/2021

quarta-feira, 10 de novembro de 2021

Pedido de aterragem de avião suspeito foi emitido pela Chefe do Gabinete do PR


Comissão Especializada da Assembleia Nacional Popular (ANP) informou os deputados, esta terça-feira 9 de Novembro, que o pedido de aterragem do avião suspeito, cuja descolagem ainda está interdita, foi efectuado pela Chefe do Gabinete do Presidente da República (PR), Isilda Lobo de Pina, horas antes de o aparelho chegar ao pals, proveniente da Gâmbia. 

Depois de aterrar, segundo o presidente da Comissão, a tripulação composta apenas por três elementos (piloto, co-piloto e um mecânico) abandonaram o país, sem deixar qualquer rasto. 

O Conselho da Administração da Aviação Civil não soube explicar que mercadoria a aeronave transportava, porque o mecânico que integrou a tripulação imobilizou o aparelho antes de seguir a parte incerta. O memo organismo confidenciou à Comissão da ANP que os seus membros estão a ser fortemente pressionados para libertar o aparelho. 

O Presidente da Comissão, José Carlos Macedo, defendeu que o parlamento não deve permitir que os que estão a pressionar "vençam essa luta", devido a que todos falam no combate à corrupção, na transparência, pelo que, não devem ser os mesmos a cometerem ilegalidades. 

A Comissão Especializada da ANP para área de Defesa e Segurança é presidida por José Carlos Macedo, deputado do MADEM-G15, partido que apoiou Umaro Sissoco Embaló nas eleições presidenciais, prometeu continuar a trabalhara nesta matéria que considera de "muito sensível" e requer urgente intervenção do parlamento. 

"Quando se começou a falar deste assunto, fomos directamente ao Aeroporto onde mantivemos um encontro com o PCA da Aviação Civil. Primeiro, confirmou que tinha ordens superiores para reter a aeronave. Depois disse que só lhes compete autorizar aterragem e a descolagem. As restantes tarefas, como vistorias, avaliação de cargas e demais outras operações, compete a outras operações, compete a outras instituições. Mas lamentou o facto de nenhuma instituição ter feito o seu trabalho, porque ninguém sabia nada da aeronave", explicou José Carlos Macedo na plenária da ANP. 

Sem boletim de bordo, porque os tripulantes mal desceram do aparelho foram recolhidos por uma viatura na pista e levados para um hotel desconhecido, a leitura da missão e a carga do avião se resumiu numa carta do Chefe do Gabinete do PR. 

"Segundo o depoimento do PCA da Aviação Civil, o pedido da Chefe do gabinete do PR era de 29 de Outubro a 4 de Novembro. Eo aparelho estava na Guiné-Bissau para a manutenção. Ainda colocamos um conjunto de questöes ao PCAS, mas ele disse que não sabia, porque não tinham acesso ao Boletim de Bordo e nem sabem quem era responsável do aparelho", continuou José Carlos Macedo, um deputado que há cerca cinco meses alegou ter sido ameaçado devido aos seus posicionamentos. 

Perante estes depoimentos o presidente da Comissão especializada da ANP apelou à mesa da Assembleia para intervir, devido a que o PCA está a ser pressionado no sentido de desbloquear o aparelho. "Foi ele quem nos disse que está sob pressão, embora dissesse que não tem medo de ninguém. Mas não devemos ficar calados, porque fomos nós que colocamos o PCA onde está. Se isso é verdade, ele não pode sujeitar-se a estas ameaças", advertiu. 

O deputado entende ainda que, ANP deve intervir, porque foram várias as manifestações de vontade de uma intensificação no combate ao narcotráfico, que se ouviu de várias pessoas, e não podem ser estas mesmas pessoas a colocarem-se numa situação tao complexa como esta. Durante a campanha eleitoral na corrida para a Presidência, Umaro Sissoco Emabaló anunciara que pretendia estabelecer a pena de morte nos crimes de narcotráfico.
Rispito.com/e-Global, 10-11-2021

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Sociedade civil guineense acusa deputados de não discutirem problemas do país

Um dos pontos em agenda da sessão que teve início no dia 4 de Novembro e deve durar até 15 de Dezembro no Parlamento da Guiné-Bissau, era um debate sobre o Estado da Nação. Mas, à última da hora, na passada quinta-feira, os deputados suprimiram esse ponto. A sociedade civil guineense não gostou do gesto e vários sectores acusam os deputados de falta de sensibilidade para com os verdadeiros problemas que afectam os guineenses.

A decisão de retirar da ordem dos trabalhos o debate sobre o Estado da Nação foi dos partidos que suportam o Governo no parlamento. Os deputados dos partidos Madem G-15, do PRS e cinco parlamentares dissidentes do PAIGC constituem a maioria no parlamento.

Tudo apontava para um debate no Parlamento para que os deputados pudessem questionar o Governo sobre a situação social do país, marcada por ondas de greves na Saúde e na Educação, mas a maioria assim não quis.

Este posicionamento tem sido, no entanto, questionado e até criticado por vários sectores da sociedade guineense. Agora é a vez do líder do Parlamento Nacional Infantil, Júnior Tamba, questionar se realmente os deputados séniores querem o bem da população guineense.

"Nós acreditamos que todas as discussões na Assembleia Nacional Popular vão ter repercussões na vida da nossa população e principalmente na vida das nossas crianças, então esse comportamento dos deputados influencia de uma forma negativa a vida da população e a vida das crianças. O resultado é que não vamos ter respostas imediatas nem discussões sobre problemáticas que afectam a vida da nossa população".

No próximo dia 17, a central sindical União Nacional dos Trabalhadores da Guiné, UNTG, tem projectada uma marcha pacífica em Bissau para demonstrar o desagrado dos trabalhadores pela situação social na Guiné-Bissau.
Rispito.com/RFI, 09/11/2021

segunda-feira, 8 de novembro de 2021

PJ não consegue localizar cerca de uma tonelada de droga que entrou no país

A Polícia Judiciária (PJ) da Guiné-Bissau sabe que entrou no país cerca de uma tonelada de droga, mas não consegue obter a localização precisa nem informações adicionais sobre o destino da droga. 

A PJ justifica a sua incapacidade com a falta de colaboração dos suspeitos envolvidos na operação de narcotráfico, entre os quais um militar que, conforme as informações da PJ, recusa colaborar. 

Cinco pessoas encontram-se detidas, um avião Air Bus A-340 está proibido de descolar há cerca de uma semana em Bissau, porque os serviços da Avião Civil receberam ordens a partida do aparelho, mas não avançam com qualquer informação suplementar que justifique a medida. 

Os quatro tripulantes do aparelho, supostamente de nacionalidade turca, abandonaram o país no próprio dia em que souberam que não podiam sair da Guiné-Bissau. 

O caso começou com uma denúncia, que a PJ da qual não revelou a origem. Posteriormente foram apreendidos 5 quilogramas de droga num veiculo. O dono do carro e os quatro ocupantes foram detidos, estando actualmente na Polícia Judiciária a responder a interrogatórios. Foi nesse momento que a PJ obteve a informação que cerca de uma tonelada de droga entrara no país. 

Durante o interrogatório a PJ apenas recolheu alguns indícios do local onde poderia estar a "mercadoria" e que apontavam que "provavelmente" ser na zona de Antula. 

Segundo foi possível apurar, o suposto responsável da introdução a droga na Guiné-Bissau depositara a "mercadoria" na casa de uma segunda pessoa, a fim de desviar a atenção de indivíduos que o seguiam. No entanto a droga terá sido "roubada" no local em que estava armazenada. 

A Polícia Judiciária teve conhecimento da operação quando os supostos narcotraficantes raptaram e espancaram o indivíduo que se responsabilizara de armazenar a "mercadoria", tentando por este meio obter a informação do paradeiro da droga, hipoteticamente roubada. 

Quando a PJ deslocou-se a casa do jovem raptado, a única informação que conseguiu obter foi que a droga tinha sido roubada quando o "fiel depositário" se ausentara da residência para efectuar um depósito no banco, e nesse momento a sua casa terá sido "invadida por um grupo de pessoas". 

No interrogatório, a PJ pode apurar que um militar e o filho de um influente empresário estavam envolvidos na operação. O filho do empresário, de apelido Sampaio, está detido na PJ e garante de não dispõe de informações suplementares. O militar, que terá facilitado a entrada da droga no país por via marítima, recusa colaborar. Explorando as imagens de uma câmara de vigilância instalada próximo da casa onde a droga estava armazenada, a PJ apenas pode compreender que a droga saiu da residência num transporte urbano, denominado "Toca-toca", assim como constatou a presença de dois homens armados.
Rispito.com/e-Global,  08/11/2021

sexta-feira, 5 de novembro de 2021

Questões laborais e rumores de infertilidade dificultam vacinação de mulheres guineenses

O Alto Comissariado para a Covid-19 da Guiné-Bissau lançou hoje uma campanha de vacinação direcionada às mulheres guineenses, que representam apenas 39% das pessoas vacinadas, por questões laborais e rumores de que o imunizante provoca infertilidade.

“É importante analisar aquilo que os dados nos dizem e o facto de só 39% das pessoas vacinadas serem mulheres quer dizer muita coisa. Penso que uma grande parte do problema esteja relacionada com a questão da fertilidade”, afirmou Magda Robalo, alta comissária para a covid-19.

A médica guineense falava na cerimónia de lançamento da campanha, que decorreu hoje no Centro Cultural Português, em Bissau.
“Essa preocupação com a fertilidade está também relacionada com o estatuto da mulher na sociedade, com o relacionamento com o marido, com os pais. Uma mulher que não possa ter filhos. Sabemos o que isso representa na nossa sociedade”, salientou Magda Robalo.

A alta comissária indiciou as questões laborais como outra razão para as mulheres não se estarem a vacinar.
“É preciso uma abordagem diferente para se poder chegar às mulheres e convencer os homens a sensibilizar as mulheres para que se possam vacinar. Muitas decisões tomadas pelas mulheres, nomeadamente em relação à sua saúde, dependem dos seus maridos em casa”, disse.

“Não podemos imaginar uma quarta vaga onde as mulheres seriam mais atingidas que os homens, porque são elas que cuidam das famílias, Seria inimaginável, seria ainda mais difícil, que tivéssemos uma vaga que atingisse mais mulheres e que fosse mais mortífera para as mulheres”, acrescentou.

A campanha lançada, que conta com o apoio financeiro de Portugal e do Fundo das Nações Unidas para a População, prevê aumentar em 10% o número de mulheres vacinadas até dezembro.

Segundo os últimos dados sobre a vacinação divulgados, 15,5% da população, ou 106.085, com 18 anos ou mais de idade já está totalmente vacinada contra a covid-19.

O embaixador de Portugal, José Velez Caroço, lembrou que Portugal tem estado desde o início da pandemia ao lado do Alto Comissariado e do Ministério da Saúde a dar toda a ajuda.
“Existem como sempre necessidades de aperfeiçoar e melhorar e é a razão de ser deste projeto, porque se constata que há um resultado menos positivo em relação à vacinação das mulheres, que são mais de metade da população. Daí a necessidade desta campanha e de bem elucidar”, afirmou o embaixador.

A Guiné-Bissau regista um acumulado de 6.149 casos e 143 óbitos desde o início da pandemia.

A covid-19 provocou pelo menos 5.028.536 mortes em todo o mundo, entre mais de 248,54 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.
Rispito.com/Lusa, 05/11/2021

PAIGC ALERTA QUE AUTORIDADES NO PODER ESTÃO A CONDUZIR O PAÍS AO DESCALABRO

O líder da bancada parlamentar do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Califa Seide, alertou que as atuais autoridades assumiram o poder pela força e estão a conduzir o país ao descalabro. 

Acrescentou que as instituições a democracia e o próprio Estado estão a desmoronar de forma vertiginosa e irreversível para o abismo.  

Califa Seide falava esta quinta-feira, 04 de novembro de 2021, na cerimônia de abertura do ano legislativa 2021/2022, realizado no Palácio Colinas de Boé, durante a qual disse que a sessão parlamentar foi aberta num momento bastante crítico para a vida dos guineenses em que se regista uma das maiores crises política, econômica e social, durante os 48 anos da independência.

Adiantando que as autoridades no poder em total desrespeito, deixaram passar a data de 24 de setembro sem qualquer gesto mínimo, protelando essa data para o dia das forças armadas, o que revela uma tentativa de promiscuidade e de militarização do sistema político na Guiné-Bissau. 

Por seu lado, o líder da Bancada Parlamentar do Movimento para Alternância Democrática (MADEM G-15), Abdu Mané, os deputados são representantes da adversidade e da pluralidade da sociedade guineense e titulares dos órgãos da soberania, por conseguinte têm a obrigação de honrar o juramento que fizeram a Constituição, cumprindo a lei no sentido de aperfeiçoar a democracia que tanto lograram alcançar.

Acrescentando que o país está a enfrentar ameaças e crises de várias naturezas nomeadamente, as crises política, econômica, financeira, migratória e climática, de maneira que é preciso convergir no essencial para enfrentar essas crises e superá-las na base do princípio democrático.

O líder da Bancada Parlamentar do Partido da Renovação Social (PRS), Nicolau dos Santos disse que o futuro melhor que o povo guineense aspira, deve seguir na base de um esforço comum, não podendo haver um desenvolvimento durável sem participação ativa de todos os guineenses com base num trabalho sério e responsável. 

O deputado da nação, sublinhou que neste momento a Guiné-Bissau encontra-se numa encruzilhada, sendo que todos os dirigentes devem assumir as suas responsabilidades para unir e obter consenso em torno de grandes objetivos para a promoção de um desenvolvimento durável e harmonioso ou continuar nos confrontos incessantes e desnecessários, promovendo a instabilidade social e governativa, regredindo o país num ambiente de caos.

O único deputado da União para Mudança (UM), Agnelo Augusto Regala assegurou que Assembleia Nacional Popular entra no novo ano legislativo com o país mergulhado numa grave crise política institucional e numa encruzilhada, resultante exclusivamente da teimosia obsessiva de alguns setores da classe política que invés de atenderem supremo interesse da nação, preocupam-se mais em tentar a todo custo, controlar e exercer o poder de forma absoluta à revelia da Constituição e das leis da República. Regala disse que é urgente encontrar uma saída para a crise vigente, cujo epicentro tem sido a Presidência da República.

Importa-se salientar que na cerimónia de abertura, a Assembleia do Povo Unido-Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDG) não discursou. 
Rispito.com/ O Democrata, 05/11/2021

PJ DETEVE CINCO SUSPEITOS, INCLUINDO UM EX-CAPITÃO DE EXÉRCITO COM CINCO QUILOS DE DROGA

A unidade nacional de combate à droga da Polícia Judiciária da Guiné-Bissau (PJ) deteve cinco suspeitos de tráfico da droga, incluindo um ex-capitão da unidade de infantaria do exército guineense, cinco quilogramas de cocaína pura e três automóveis, incluindo uma viatura prado, do lote oferecido de viaturas da mesma marca e modelo oferecido aos deputados da nação.

Os suspeitos do tráfico de droga e de rapto são todos cidadãos guineenses, alguns ligados às células de tráfico transnacional e com conexões com países da América latina.

A operação que culminou na detenção desses suspeitos e dos seus materiais iniciou na semana passada, quando a PJ, através dos seus serviços de inteligência, tomou conhecimento do rapto de dois indivíduos no bairro de Antula e forçados a entrar numa viatura. A fonte da PJ informou que os dois jovens raptados em plena  luz do diaforam amarrados e levados para a floresta entre as localidades de Mansoa e Bissorã, região de Oio, norte da Guiné-Bissau.

“Essas pessoas foram torturadas com muita crueldade e o objetivo era forçá-las a revelar o local onde esconderam a droga ou dinheiro, caso não revelassem seriam mortos”, disse a fonte, acrescentando que a PJ ao perceber que se tratava de caso de negócio da drogas, acionou toda a sua unidade de investigação e pediu a colaboração das forças de segurança nas regiões.

A fonte avançou que os suspeitos, depois de terem obtido a informação sobre a localização da droga, regressaram à Bissau juntamente com os dois indivíduos raptados e foram diretamente para a residência de um dos indivíduos tendo sido intercetados e detidos pela PJ na Avenida Koumba Yalá, junto de uma estação de combustível que é a localidade mais próxima da residência de uma das vítimas de rapto.
Rispito.com/O Democrata, 04/11/2021