quarta-feira, 30 de março de 2016

PÁSCOA SEM SALÁRIO PARA OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS 

Os funcionários públicos da Guiné-Bissau celebraram a Páscoa sem salários devido a crise política vigente que também abalou o tesouro público do país. 

O Governo que habitualmente paga os salários a 20 de cada mês, por agora não o consegue o fazer, pois está com enormes dificuldades financeiras para honrar o seu compromisso para com os servidores do Estado, que por sinal ainda não receberam os seus ordenados do mês de Março.

Percorrida uma semana, o fato suscita movimentações junto das agências bancarias da capital, telefonemas entre amigos e conhecidos em trocas de desabafos e perguntas para quando o pagamento dos salários!? 

O povo na tremenda dificuldade com o futuro minado, enquanto os líderes políticos heróis da crise prevalecente no país bem sossegados e tranquilos com as “mãos no bife”. 

As escolas públicas continuam fechadas na sequência da greve decretada pelo SINDEPROF, nos hospitais regista-se insuficiência de medicamentos aos doentes, a campanha de comercialização de castanhas de caju, produto tido como ouro da Guiné-Bissau, na incerteza quanto a definição do preço base ao quilo.

As instituições publicas a funcionarem a meia gás, numa altura em que o Chefe do governo se encontra de visita oficial no estrangeiro para reforçar relações de cooperação entre Bissau e o mundo.  

Como já se sabe, infelizmente, a nível interno, as raízes da crise continuam cada vez mais assentes e as ramificações em constante desenvolvimento para ensombrar mais uma legislatura frustrada.
Rispito.com/Lai Baldé-correspondente, 30-03-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público