sexta-feira, 24 de junho de 2016

FMI anuncia congelamento de ajudas a Guiné-Bissau

Parceiros financeiros da Guiné-Bissau que davam apoio ao Orçamento-geral de Estado (OGE) anunciaram o congelamento de ajudas ao país disse FMI em comunicado.
O Fundo Monetário Internacional (FMI) informou hoje o novo Governo da Guiné-Bissau de que os principais parceiros financeiros do país vão congelar as ajudas prometidas para 2016.
"Os parceiros que antigamente deram apoio orçamental comunicaram-nos que não vão dar apoios este ano, o que complica a situação fiscal do Governo", afirmou Felix Fisher, chefe da missão do FMI para a Guiné-Bissau.
Questionado sobre as razões do recuo, aquele responsável disse desconhece-las, remetendo a pergunta para os parceiros internacionais.
A informação foi hoje revelada à imprensa no dia em que a equipa de Fisher iniciou uma visita de sete dias a Bissau para um primeiro contato com o novo Governo guineense.
Um contacto para estabelecer uma agenda de trabalhos, bem como para acompanhar e analisar as medidas propostas pelo Ministério da Economia e Financias para fazer face às dificuldades orçamentais.
"O importante agora é fechar o buraco orçamental através de cortes nas despesas e captação de mais receitas", adiantou o responsável do FMI que prevê "uma situação fiscal complicada" para o novo Governo guineense.
Felix Fisher não quis comentar se existe uma "má gestão" nas finanças públicas do país, mas alertou para a necessidade de haver avanços ao nível do comité de tesouraria o que, disse, implicará "um monitoramento mais apertado" por parte do FMI àquele departamento.
Entre outros assuntos, a missão do FMI irá abordar com o novo Governo guineense o contrato de resgate aos bancos comerciais do país, celebrado pelo executivo demitido e posteriormente anulado.
O FMI quer saber quais as medidas que o novo Governo pretende tomar para minimizar os custos da rescisão do contrato com os bancos comerciais.
Os representantes das principais organizações internacionais na Guiné-Bissau, incluindo Nações Unidas, União Europeia, União Africana, CEDEAO e CPLP, têm alertado para o facto de o desembolso dos fundos anunciados na mesa de doadores de 2015 - mil milhões de euros - depender da criação de condições de estabilidade no país.
A falta de entendimento político fez com que nos últimos 11 meses o país já tenha tido quatro governos.
Rispito.com/Lai Balde-correspondente, 23-06-16

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público