quinta-feira, 23 de junho de 2016

Guiné-Bissau um dos países mais vulnerável aos efeitos de alteração climática 

O Inspetor-geral do Ambiente afirmou quinta-feira que a Guiné-Bissau afigura-se como um dos países mais vulnerável do mundo aos efeitos de alteração climática devido a sua situação geográfica, a sua baixa costa e a sua fraca capacidade de fazer face a este fenómeno natural.
Guilherme da Costa que presidia a cerimónia de abertura do atelier de “Processo de Elaboração do Plano Nacional de Adaptação à Médio e longo Prazo,” organizado pela Secretaria de Estado do Ambiente, através do projecto de Reforço da Resiliência da Capacidade de Adaptação dos Sectores Agrários e Hídricos às Mudanças Climáticas, sublinhou que a Guiné-Bissau como país signatário da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre às alterações climáticas já iniciou o processo com introdução da dimensão das alternações climáticas nos documentos, nas estratégias nos sectores da agricultura e recursos hídricos através de construção, reabilitação e equipamento de duas Estações Sinópticas de Bafatá e Gabú respectivamente, e de dez postos meteorológicos auxiliares entre outras actividades associadas com o encontro de hoje para facilitar o efectivo planeamento de adaptação nos países subdesenvolvidos e outros desenvolvidos, cuja implementação basear-se nas prioridades identificadas ao nível nacional. 
Da Costa está convicto que a iniciativa nacional constituirá o alavanque para a consolidação estável, tornando as comunidades, equipamentos e os meios de subsistência mais resilientes às inclemências de clima.
Presidiu o acto de enceramento, o Presidente da Comissão Especializada para o Ambiente, Mário Dias Sami que prometeu tudo fazer para facilitar a aprovação de diplomas do sector do ambiente no Parlamento.
Os participantes harmonizaram as diferenças entre o Plano Nacional de Adaptação a Médio e Longo Prazo (NAP) e o Plano de Acção de Adaptação às Alterações Climáticas (PANA), bem como debateram as prioridades actuais no âmbito do Plano de Acção Nacional (PAN) antes das consultas aos stakeholders.
O evento juntou delegados da UICN, PNUD, IBAP, CAIA, e algumas ONGs ligadas ao sector do ambiente na Guiné-Bissau.
Rispito.com/Lai Balde-correspondente, 23-06-16

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público