sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Ministério Público da Guiné-Bissau considera legal detenção do ex-secretário Estado

Bacari Biai
Um porta-voz da comissão de magistrados do Ministério Público da Guiné-Bissau que mandou deter o ex-secretário de Estado dos Transportes e Comunicações, João Bernardo Vieira, considera de "perfeitamente legal" a diligência.

Bacari Biai disse que contrariamente às posições assumidas pelo advogado do político e pela Liga Guineense dos Direitos Humanos, a detenção preventiva, de João Bernardo Vieira, ocorrida na terça-feira, tem bases legais.

A Liga Guineense dos Direitos Humanos considerou hoje que a detenção de Bernardo Vieira é ilegal por ocorrer durante as férias judiciais, nas quais a lei do país não prevê a execução de qualquer ato processual, frisa.

Bacari Biai, que é também presidente da associação dos magistrados guineenses, desmente essa argumentação da Liga, lembrando que a própria lei prevê "situações excecionais" em que se pode praticar um ato processual, mas que não especificou.

Questionado sobre os crimes pelos quais o ex-governante foi detido, o magistrado recusou-se a comentar invocando o segredo de justiça, mas confirmou que Bernardo Vieira faltou a uma audiência para a qual foi convocada no passado mês de maio.

Bacari Biai indicou que a detenção de João Bernardo Vieira decorre da "renovação de um mandado" que o Ministério Público emitiu, ainda na altura em que o político era governante, mas que não tinha sido cumprido pelas forças da ordem.

"O Ministério Público apenas renovou o mandado de detenção e que desta vez foi cumprido", observou Bacari Biai, salientando ainda que "é falso" que a detenção de João Bernardo Vieira tenha motivações políticas.

O magistrado também desmentiu que a comissão que investiga João Bernardo Vieira, e mais outros ex-governantes, esteja a agir por ordens do Procurador-Geral da República, António Sedja Man, como referiu o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), no seu comunicado.

João Bernardo Vieira, detido no dia em que completou 39 anos, é o porta-voz do PAIGC.

O advogado do político, Carlos Pinto Pereira, denunciou hoje o que diz ser "outra ilegalidade" o facto de, volvidos 48 horas, João Bernardo Vieira, ainda não tenha sido presente ao Juiz de Instrução Criminal (JIC), conforme manda a lei guineense.

Carlos Pinto Pereira lamenta que "tudo esteja a ser feito" para que Bernardo Vieira fique na prisão durante o fim de semana.
Rispito.com/Lusa, 19-08-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público