sexta-feira, 12 de agosto de 2016

PAÍS BLOQUEADO UM ANO APÓS A QUEDA DO GOVERNO DO DSP

Hoje 12 de Agosto de 2016, completou nesta sexta-feira, um ano que o Presidente da Republica, José Mário Vaz demitiu o primeiro Governo da IX legislatura do PAIGC, liderado por Domingos Simões Pereira (DSP). 

Passados 12 meses, os líderes políticos continuam apenas a gerir crises políticas de liderança em vez de enveredarem-se no caminho de resgate do povo na penúria e o subdesenvolvimento da Guiné-Bissau.  

Um país cujo Parlamento bloqueado, Governo a funcionar a meio gás, sem ajuda dos parceiros de desenvolvimento. Em suma, um país cuja população, já dividida pelos políticos em que ninguém não confia em ninguém.   

Na altura, o Chefe de Estado guineense justifica a decisão acusando o então PM, DSP de falta de serenidade e prudência, o seu executivo tinha governantes com “processos de crimes” e mesmo que fossem substituídos a crise política não seria provavelmente ultrapassada devido a “queda mútua” entre Presidente Mário Vaz e DSP.

“A vitoria do PAIGC, cabe a este directamente o dever de governar, pelo que não pode esse direito ser persuadido ou privatizado por um grupo de interesse instalado no seio do partido, ao ponto de se ameaçar a paz social, ameaçar fazer o país mergulhar no cão e conduzir a uma guerra civil, caso as instituições de Estado não se diligenciem perante a pessoa do sr. PM DSP.”

José Mário Vaz questionou o paradeiro de avultadas soma em dinheiro sublinhando que o DSP terá afirmado existir uma falta grosseira de ponderação para além de rude e traiçoeiro golpe a esperança, ameaçando com responsabilização política e judicial contra o autor que inverter o cenário político. 

Apesar dos pedidos feitos pela Sociedade Civil, classe politica a Comunidade Internacional e as ondas de manifestações nas ruas de Bissau, o Presidente Mário Vaz acabou mesmo de derrubar o Governo de DSP, nomeou o de Baciro Dja que acabaria ser demitido por inconstitucionalidade.

A par disto, o PR nomeou um outro de veterano Carlos Correia que veio ser derrubado por ele mesmo, e como tudo não se bastasse voltou a conduzir Baciro Dja ao cargo do PM que culminou em confronto sanguíneo entre os manifestantes do PAIGC e os militares em frente da Sede dos libertadores.

O PM deposto denunciou na altura, que os pontos prevalecentes de discórdia entre ele e Presidente Mário Vaz reside nos fundos doados na Mesa Redonda de Bruxelas.

DSP afirmou que o Presidente Mário Vaz assume existência de um fundo que o seu Governo não quis divulgar e que quer gerir a margem do seu conhecimento e da sua fiscalização. Igualmente, PR quer participar directamente nos recursos angariados. Por isso, exige a nomeação de um membro do Governo da sua confiança funcionando sob a directa dependência do primeiro-ministro e não do Ministro da Economia e das Finanças.

Segundo DSP, o PR entende que o seu executivo dispõe de governantes que não merecem a sua confiança por penderem suspeitos de “processos de crimes” mas que não indicou de quem se tratava e nunca aceitou receber qualquer explicação sobre a matéria. E agiu de forma deliberada de provocação para justificar a destituição do seu Governo.

“Falta groseira de ponderação sobre as implicações e alcance para a ordem interna e estabilidade no pais e no mundo. Para além de rude e traiçoeiro golpe a esperança que tem alinhado. A determinação do PAIGC, dos partidos, das organizações políticas e sociais o apoiam em defesa das suas conquistas eleitorais responsabilizam política e judicial do autor dos actos que ponham em causa a ordem interna e a estabilidade do país.
Rispito.com/Lai Baldé-correspondente, 12/08/2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público