quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Castanha de cajú produto estimulante do crescimento económico na Guiné-Bissau

A Guiné-Bissau possui grandes potencialidades para ser líder mundial na produção e exportação de castanha de cajú. Este é um dos temas que estão sendo discutidos até esta quinta-feira, 22, em Bissau, durante a 10ª Conferéncia Mundial de Aliança da União Africana.
Image result for castanha de cajuO evento reúne operadores internacionais do setor e autoridades, que buscam caminhos para ampliar a plantação do cajú e desenvolver a transformação do fruto na Guiné-Bissau, para a exportação da castanha. A investigadora Cristina Svessen, que participa da conferência, aponta que a transformação local do produto trará mais ganhos para a economia do país.
“A transformação do cajú iria contribuir para a criação de postos de trabalho, principalmente nas zonas rurais. Cerca de dois terços dos postos de trabalho criados seriam para mulheres. O investimento no cajú, neste país, pode ser uma grande oportunidade”.

Segundo Svessen, “a Guiné-Bissau oferece enormes condições para a produção e transformação do cajú. O cajú da Guiné é o de melhor qualidade no mundo. É possível transformar a matéria-prima a preços competitivos. O país não tem mais nenhum produto desta importância”.
Investimentos dependem da establidade política
O ministro da Agricultura guineese, Rui Nené Djata, enaltece as potencialidades do país no setor de cajú. No entanto, ele alerta que primeiramente a Guiné-Bissau precisa garantir a estabilidade governativa para atrair investimento externo e gerar empregos.
Image result for castanha de caju“Uma coisa é certa: a Guiné-Bissau tem que ter estabilidade política. É uma condição prévia para conseguir atrair qualquer investidor. Mas há potencialidades enormes”, afirma.
Atualmente, cerca de 85 por cento da população guineense depende da castanha de cajú. Em 2015 o país exportou cerca de 175 mil toneladas de cajú e este ano, 2016, prevê exportar 200 mil toneladas. Contudo, a produção e comercialização ainda não satisfazem os produtores rurais.
Mesmo com a produção não satisfatória, a Aliança Africana para o cajú, que agrupa países como a Costa do Marfim, Gana, entre outros, coloca a Guiné-Bissau como o segundo produtor no continente, logo a seguir à Costa do Marfim.

Castanha de cajú pode estimular crescimento económico na Guiné-Bissau
Rui Nené Djata entende que a produção do cajú precisa avançar: “Temos que melhorar a produção. A produtividade é muito baixa, 300 quilos, 600 quilos, por aí. Muito baixa. Temos que continuar a melhorar a produção, investindo para apoiar os pequenos camponeses a organizar os seus pomares”.

Desde 1976, a castanha de cajú tornou-se o maior produto de exportação da Guiné-Bissau, detendo, sobretudo nos últimos anos, um peso expressivo na economia do país e na vida das populações. A título de exemplo, 180 mil das 200 mil toneladas produzidas em 2011, foram exportadas, trazendo para os cofres do Estado um montante de 156 milhões de euros. Para o Orçamento-Geral do Estado da Guiné-Bissau, a castanha de cajú contribui significativamente em 90%.
Os relatórios do Fundo Monetário Internacional (FMI) têm citado sempre este produto, o qual, consoante boa ou má campanha para a sua comercialização, influencia diretamente o Produto Interno Bruto (PIB) da Guiné-Bissau.
Observadores alertam sobre a necessidade de um “urgente reordenamento das plantações de cajú”, dado que, todos os anos, entre 30 e 80 mil hectares de florestas são destruídos com a abertura de clareiras e para a exploração de lenha, carvão e madeira. Hoje em dia, a realidade no terreno demonstra que o avanço das florestas de cajú lidera a pressão sobre as florestas naturais.
Rispito.com/DW, 21-09-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público