sábado, 21 de janeiro de 2017

Jammeh declara à televisão estatal que finalmente vai deixar o poder

[Focus] As Jammeh exits to Conakry, Barrow announces return to his homelandO presidente em final de mandato da Gâmbia, Yahya Jammeh, informou neste sábado, em Banjul, que abandonará o poder para garantir a paz no seu país, após a mediação de Guiné e Mauritânia, noticiou a Lusa.
"Hoje (sábado) decidi, com a consciência tranquila, ceder o comando desta grande nação, com a infinita gratidão de todos os gambianos", disse Jammeh à TV estatal.
"Minha decisão de hoje (sábado) foi ditada por nada além que o interesse supremo de vocês, povo da Gâmbia, e do nosso querido país".
"Em um momento em que presenciamos problemas e ameaças em outras partes da África e do mundo, a paz e a segurança da Gâmbia é uma herança colectiva que devemos manter e defender".

Os presidentes de Mauritânia e Guiné-Conacri obtiveram na sexta-feira, em Banjul, um acordo para que Jammeh abandonasse o país.
"As coisas estão quase solucionadas. Jammeh aceitou deixar o poder. As negociações prosseguem sobre o local do exílio e suas condições", informou uma fonte mauritaniana.
"Devemos encontrar um país suficientemente longe da Gâmbia para impedir que Yahya Jammeh interfira no processo democrático", explicou a fonte.
Segundo uma fonte diplomática ligada às discussões, um acordo final será firmado pelo novo presidente da Gâmbia, Adama Barrow, que actualmente se encontra no vizinho Senegal, e pelo próprio Jammeh.
"Será uma declaração comum entre Barrow e Jammeh", disse a fonte, destacando que as tropas da África do Oeste, mobilizadas para forçar a saída de Jammeh, permanecerão até sua partida.

As tropas de cinco dos 15 países da CEDEAO chegaram na quinta-feira ao território da Gâmbia, no âmbito da operação "Restaurar a democracia".
Adama Barrow, de 51 anos, eleito presidente a 01 de Dezembro, foi empossado na tarde de quinta-feira na embaixada de seu país em Dacar.
Os presidentes de Mauritânia e Guiné eram "contrários a uma intervenção militar na Gâmbia (...) um precedente perigoso" para a região.
Segundo os jornalistas, a noite foi tranquila na capital da Gâmbia que, depois da posse de Adama Barrow, registou na tarde de quinta-feira manifestações de celebração que não foram reprimidas pelos militares.
A escalada da tensão levou milhares de gambianos, residentes estrangeiros e turistas a abandonar o país.
Mais de 45 mil pessoas fugiram da Gâmbia desde o início de Janeiro, na sua maioria ao Senegal, informou nesta sexta-feira a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), que teme fluxos migratórios maiores se a crise no país persistir.
Rispito.com/Lusa, 21-01-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público