sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

ONU e governo da Guiné-Bissau preparam assistência aos refugiados da Gâmbia

Zimbabwean refugees, sheltering in a tent camp near Primrose police station in Primrose, outskirts of Johannesbourg, after fleeing violent xenophobic clashes wait for the arrival of Zimbabwean opposition leader Morgan Tsvangirai on May 22, 2008. Tsvangirai announced Thursday he would return home this weekend to begin election campaigning despite fears of an assassination plot. AFP PHOTO/GIANLUIGI GUERCIANo seguimento de um pedido do Governo da Guiné-Bissau ao sistema das Nações Unidas no país e aos principais parceiros internacionais, foi criada uma comissão multidisciplinar para preparar um plano de assistência aos milhares de refugiados gambianos que já entraram no país.

Segundo concluiu uma missão conjunta que se deslocou ao norte do país no dia 18 de Janeiro, já entraram na Guiné-Bissau 4327 nacionais da Gâmbia. Desde o dia 15, o número de entradas registadas ronda as mil por dia.

A maioria são mulheres, adolescentes e crianças, vem sobretudo da região de Brikama, a sul de Banjul. Estão a ser acolhidas por familiares ou amigos sobretudo na região de Bissau, Bafatá, Cacheu e Oio. Os principais pontos de entrada oficial na Guiné-Bissau são Djegue, Farim, Cambadjo, Senabaca e Pirada. No entanto há também pessoas a cruzar a fronteira entre o Senegal e a Guiné-Bissau em Ingoré, Bigene e Varela.

A missão, liderada pelo Coordenador humanitário da ONU na Guine Bissau, Ayigan Kossi, facilitada pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e pelo Comité Nacional para os refugiados, verificou que as pessoas se encontram em grande risco de segurança alimentar, uma vez que as famílias de acolhimento não poderão sustentá-las por muito tempo. O afluxo de pessoas pode trazer também uma sobrecarga aos serviços de saúde que desde já são insuficientes para a população normal.

Face a esta situação, o Governo da Guiné-Bissau, através do Ministério do Interior, que está a registar as pessoas, e do Ministério dos Negócios Estrangeiros, prepararam um plano de contingência e solicitou ajuda aos parceiros.

A 19 de Janeiro foi  criada uma comissão técnica multidisciplinar, composta, entre outros pelo ACNUR, Organização Mundial de Saúde (OMS), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Programa Alimentar Mundial (PAM), o Escritório Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, os dois ministérios acima citados, o Instituto Nacional de saúde (INASA).

A comissão irá desde já organizar a assistência alimentar e preparar um plano de emergência, coordenando a ajuda de todos os parceiros, para assistir até 10 mil pessoas, durante 4 a seis semanas, assim como fazer a triagem e avaliação de necessidades e continuar a monitorizar a situação.
Rispito.com/e-global.pt, 20-01-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público