sábado, 29 de abril de 2017

PGR garante que não vai cumprir decisões impostas fora da lei

O Procurador-geral da República (PGR), António Sedja Na Man, garantiu que o organismo que chefia vai continuar a trabalhar de forma isenta e imparcial na tomada de decisões, e garantiu que não vai cumprir as regras impostas fora da lei da Guiné-Bissau, “independentemente de onde vierem”.
António Sedja Na Man falava durante a cerimónia de tomada de posse de dois magistrados recentemente promovidos à categoria de Procurador-geral Adjunto e Delegado do Procurador da República.
O PGR reconheceu ainda que atualmente existem profundas contradições na sociedade guineense, sublinhando que algumas pessoas querem transferir tais contradições para o poder judicial.
“Existem muitas contradições na sociedade neste momento que as pessoas querem transferir para poder judicial. Estaremos atentos e vamos trabalhar no sentido de resistir, porque o poder judicial deve ser um poder estável para garantir a segurança jurídica a todos os guineenses bem como aos estrangeiros que escolheram a Guiné-Bissau como país”, disse.
Por outro lado, o Procurador-geral da República pediu que ao poder judicial não sejam impostas regras extra judiciais ou que não existam no ordenamento jurídico da Guiné-Bissau. “Nós não vamos cumprir as regras que não existem, custe o que custar”, sublinhou.
O Procurador-geral da República já tinha denunciado há duas semanas alegadas interferências do poder político no sistema judicial da Guiné-Bissau.
Rispito.com/e-Global, 28-04-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público