quarta-feira, 10 de maio de 2017

Umaro Sissoco visita 24 horas Senegal

O primeiro-ministro guineense foi recebido nesta quarta-feira em audiência em Dacar pelo Presidente senegalês Macky Sall. Umaro Sissoco Embaló realçou o interesse do Senegal na estabilização do seu país vizinho.
Umaro Sissoco Embaló, primeiro-ministro guineense, efectuou uma visita de trabalho de 24 horas no Senegal. O chefe do Executivo da Guiné-Bissau, foi recebido em audiência no Palácio do Governo pelo Presidente senegalês, Macky Sall.
A RFI falou com Umaro Sissoco Embaló à saída da sua reunião em Dacar, onde nos revelou os temas abordados na conversa: «A situação política na Guiné-Bissau, bem como a do Senegal. Também temos uma fronteira que abordámos no aspecto da segurança», contou o primeiro-ministro.
Quanto à situação na Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló desenvolveu o teor da conversa: «O Presidente Macky Sall sempre testemunhou que a estabilidade na Guiné-Bissau é importante para o Senegal. É um país irmão. Ele foi o único governante estrangeiro que se deslocou à mesa redonda em Bruxelas para dar apoiar ao então primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira. Isso testemunha a vontade dele de ajudar a Guiné-Bissau», acrescentou o primeiro-ministro.
O primeiro-ministro guineense alega que o seu país tem uma dívida moral para com o Senegal devido ao apoio de Dacar à Guiné-Bissau ao longo dos anos. Embaló recordou o papel do Senegal para prestar assistência médica aos guineenses que recorrem ao país vizinho.
Em relação a uma visita de Macky Sall à Guiné-Bissau o chefe do executivo guineense lamentou o adiamento da visita do presidente senegalês, agendada já por duas vezes… uma deslocação contra a qual se insurgira, nomeadamente, o Movimento dos cidadãos conscientes e inconformados denunciando o alegado papel nocivo do Senegal no impasse actual na Guiné-Bissau, que previra manifestar-se contra esta visita.
Umaro Sissoco Embaló alega ser “lamentável” a atitude do “povo guineense”. Por ora as autoridades guineenses apelaram a que o presidente senegalês esperasse pela altura devida para que as autoridades e o povo guineense o possam acolher com pompa e circunstância para agradecer o contributo dado em relação à Guiné-Bissau.
Umaro Sissoco Embaló não quer ser "ingrato" com o Senegal que sempre ajudou a Guiné-Bissau.
Umaro Sissoco Embaló também fez referência os seus seis primeiros meses à frente do Governo: «Há um bloqueio que ninguém compreende".
Constrangimentos que atribui a comportamentos próprios da “raça humana”.
Sissoco alega estar a imprimir, porém, dinamismo na vida política guineense. "Fiz uma coisa. Há vinte anos que não havia salários em dia, tanto para os guineenses como as nossas representações diplomáticas. Isso para mim é muito importante. Já consegui restablecer uma relação de confiança com o Banco Árabe de Desenvolvimento Económico e o Banco de Desenvolvimento Islâmico, e já temos o programa restabelecido. E acresento ainda mais, CEDEAO, União Africana, UEMOA, pagamos as quotas. Além disso, já começámos a reparar as ruas e as vias urbanas de Bissau», confessou o primeiro-ministro.
Por fim falou do compromisso que tem com o Presidente e com os guineenses: «O meu compromisso com o Presidente, o povo guineense e o Governo que lidero, é a esperança e a tolerância zero com o banditismo. Eu não faço parte do problema, faço parte da solução», concluiu Umaro Sissoco Embaló
Confira aqui a entrevista de Umaro Sissoco Embaló a Cândido Camará, correspondente em Dacar.
Rispito.com/RFI, 10-5-17

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público