sexta-feira, 12 de maio de 2017

ONU pede José Mário Vaz para nomear novo primeiro-ministro

O comunicado distribuído hoje em Bissau pela missão do Gabinete Integrado da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau refere-se à reunião realizada na quinta-feira por aquele órgão das Nações Unidas, na sequência de consultas realizadas um dia antes.
Na quarta-feira, a Comissão da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau esteve reunida em Nova Iorque.

"Os membros do Conselho de Segurança manifestaram a sua profunda preocupação com a prolongada crise política e institucional na Guiné-Bissau, resultante da incapacidade dos atores políticos de chegarem a uma solução duradoura e consensual, conduzindo ao actual impasse", pode ler-se no comunicado.

No documento, o Conselho de Segurança da ONU destacou os esforços da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para acabar com a crise no país, incluindo a missão a Bissau para avaliar a implementação do Acordo de Conacri, e salientam a "necessidade de a comunidade internacional" apoiar os esforços regionais para resolver o "impasse político".

"Os membros do Conselho convidaram o Presidente Vaz a nomear um primeiro-ministro cuja selecção respeite as disposições do Acordo de Conacri", segundo o comunicado.

O Acordo de Conacri, patrocinado CEDEAO, prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado.

O Conselho de Segurança da ONU pediu também aos atores políticos guineenses para colocarem o interesse do povo da Guiné-Bissau em primeiro lugar e exigiu a todos os líderes para "respeitarem o compromisso de trazer estabilidade" ao país com um "diálogo genuíno, inclusivamente sobre a revisão Constitucional".

Ainda sobre o Acordo de Conacri, o Conselho de Segurança salientou que a sua implementação pode ser "uma forma de restaurar a confiança dos parceiros e permitir que a comunidade internacional cumprisse os compromissos assumidos durante a Conferência de Bruxelas de marco de 2015 de apoio ao programa 'Terra Ranka'" para o desenvolvimento do país.

A ONU destacou também o papel das forças de defesa e segurança, elogiando o seu comportamento por "terem continuado a não interferir na situação política" no país e pediu para manterem a mesma postura.

"Os membros do Conselho de Segurança reiteraram o seu compromisso de continuar a acompanhar a actual crise política e manifestaram a sua disponibilidade para tomar as medidas necessárias para responder ao agravamento da situação na Guiné-Bissau", salienta.
A ONU manifestou também "profunda preocupação com os desafios colocados pela criminalidade organizada internacional e outras grandes ameaças, incluindo o tráfico de droga no país, bem como o extremismo violento, que pode conduzir ao terrorismo e ameaças terroristas".

PAIGC, o partido vencedor das ultimas eleições e hoje arredado de poder, atravez do seu presidente Domingos Simões Pereira, manifestaram satisfeitos com a posição da ONU.
"A nossa reação é de regozijo por confirmar que uma instância tão importante da política internacional segue a situação na Guiné-Bissau e se mobiliza para assegurar o cumprimento do Acordo de Conacri", disse Domingos Simões Pereira.
Na mesma linha segue PCD, União para Mudança e PND todos com assento parlamentar, publicamente satisfeitos com o pedido de ONU.

Enquanto que PRS, o único partido apoiante do atual governo, admite alinhamento do partido em direção ao desbloqueio do país.
Conforme Serifo Djaló, se a CEDEAO achar que houve nome em consenso que deve ser nomeado em respeito do acordo "não vamos desafiar a comunidade internacional" pelo que, o PRS não irá opor a esse entendimento que possa tirar o país do longo impasse.
Rispito.com/Angop, 12-05-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público