terça-feira, 18 de julho de 2017

Estado gasta seis milhões de euros por mês em salários com funcionários

A Guiné-Bissau gasta mensalmente seis milhões de euros em pagamentos de salários aos cerca de 32.000 funcionários públicos existentes no país, disse à agência Lusa o ministro das Finanças, João Fadiá.
«Nós gastamos neste momento, por causa dos professores que subiram para cerca de 12 mil, 4,1 mil milhões de francos cfa», afirmou o ministro.

Questionado pela Lusa sobre se está previsto um aumento salarial, o ministro explicou que «não está no horizonte aumentar, mas ajustar algumas disparidades entre algumas profissões e algumas situações pontuais».
«Penso que por uma questão de justiça salarial deve haver uma certa renovação», salientou.
Para isso, em Janeiro o Governo criou uma comissão que está a estudar a tabela salarial.
«O que se pretende fazer é encontrar uma maior equidade e equilíbrio na tabela. Hoje há tabelas paralelas. Não estamos contra, mas é preciso ter em conta que todos prestam o mesmo serviço ao Estado», disse, indicando que o trabalho ainda não está concluído.

Para o ministro João Fadiá, o Governo até podia ter «condições de pagar bons salários, mas o problema que se põe é o número de empregados que existem na Função Pública».
«São cerca de 32.000 funcionários públicos, entre os quais 12.000 do setor da educação», disse.
Sobre os denominados «funcionários fantasmas», o ministro explicou que, por exemplo, já fez três tentativas e ainda não conseguiu ter a lista definitiva do número de funcionários afetos ao seu ministério, porque existem os «chamados efetivos, os contratados, noutras situações, irregulares, estagiários».

«Era bom que de facto o setor empresarial pudesse ter outra dinâmica e dimensão e absorver a mão-de-obra que existe. O Estado sozinho não pode. Há pessoas aqui em regime de estagiário há 10 anos (sem auferirem qualquer rendimento)», lamentou o ministro, sublinhando que não é uma situação fácil e cómoda.

Em Janeiro, o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, já tinha pedido ao Governo «reformas urgentes» no setor da Função Pública, afirmando que na atual situação todo o dinheiro arrecadado pelo Estado serve para o pagamento de salários.
Rispito.com/Lusa, 18-07-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público