quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Conselho de Segurança da ONU debate Guiné-Bissau à porta fechada

Image result for Conselho de Segurança das Nações UnidasO Conselho de Segurança das Nações Unidas debateu hoje a situação na Guiné-Bissau, devendo aprovar na quarta-feira uma declaração presidencial a pedir o cumprimento do Acordo de Conacri.
A reunião começou com uma apresentação das conclusões do terceiro relatório do secretário-geral sobre o país, seguida de uma apresentação de um representante do Escritório Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

Um esboço inicial da declaração que será adotada na quarta-feira circulou a 27 de agosto, foi debatido a 07 e 08 de setembro, mas o consenso apenas foi atingido a 11 de setembro (segunda-feira).
Uma das alterações feitas ao documento foi motivada pela Rússia, que objetou o uso da expressão "paz sustentável", devido a questões de soberania, e propôs o uso do termo "duradoura". A versão final inclui a expressão "paz duradoura e sustentável".

A declaração repete as mensagens do comunicado de 11 de maio, expressando preocupação com o impasse político no país e culpando a incapacidade dos líderes políticos de negociar uma solução.
Segundo a publicação do Conselho de Segurança "What's in Blue", a nova declaração descreve o Acordo de Conacri como uma "oportunidade histórica" para alcançar a paz na Guiné-Bissau e sublinha a importância de nomear um primeiro-ministro consensual.

O Acordo de Conacri prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e de confiança do chefe de Estado, entre outros pontos.
Durante a reunião de hoje, é provável que os membros debatam a revisão das sanções impostas a 10 militares da Guiné-Bissau, defendidas pelo presidente do Comité de Sanções para o país, Elbio Rosselli, embaixador permanente do Uruguai na ONU.

Numa intervenção a 24 de agosto, Rosselli disse que "os interlocutores que não fazem parte do governo indicaram claramente que a responsabilidade da crise política é da classe política, dos partidos políticos e, de uma forma geral, dos civis motivados pelos seus interesses pessoais e não do país."
Segundo o "What's in Blue", no entanto, "vários estados membros parecem estar contra a retirada de indivíduos da lista" porque "acreditam que manter essa designação cria um desincentivo a possíveis interferências pelos militares numa situação que ainda é muito frágil."

Ainda sobre sanções, o Representante Especial do Secretário-Geral da ONU na Guiné-Bissau, Modibo I. Touré, disse ao Conselho de Segurança que a ameaça de novas sanções poderia ser eficaz, nomeadamente sobre o presidente, José Mário Vaz, e o seu círculo mais próximo, e a declaração presidencial inclui linguagem dizendo que o Conselho de Segurança "está pronto para tomar medidas necessárias para responder ao enfraquecer da situação na Guiné-Bissau."

A declaração presidencial pede ainda que a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) continue no país além do seu mandato, que termina no final deste mês, e destaca a necessidade de realizar as eleições calendarizadas para 2018 e 2019.
Rispito.com/Lusa, 13-09-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público