terça-feira, 7 de novembro de 2017

Nova greve dos professores na Guiné-Bissau

Os professores entraram outra vez em greve nacional no intuito de exigir o cumprimento de uma acordo assinado em Junho com o governo, o pré-aviso de greve tendo validade até ao dia 24 de Novembro.

Os dois sindicatos do sector, o Sindicato Nacional dos Professores e o Sindicato Democrático dos Professores consideram que o executivo não respeitou o memorando de entendimento alcançado há alguns meses e exigem, entre outros pontos, o pagamento de salários em atraso, melhores condições de trabalho e de evolução de carreira.
Em comunicado, os sindicatos referiram ter "total abertura para um diálogo franco" com o Governo. Já o executivo, igualmente por escrito, qualificou de "lamentável" esta nova greve e considerou que ela "constitui um sério atentado ao princípio da legalidade". Durante o fim-de-semana, no mesmo sentido, o Ministro guineense do Comércio, Vítor Mandinga, classificou os professores guineenses de "incompetentes".

Ao qualificar de "infelizes e infundadas" as declarações do Ministro do Comércio, Laureano Pereira da Costa, presidente do SINDEPROF, um dos dois sindicatos à frente desta greve, começa por enumerar os pontos que ainda carecem de resposta e estão neste momento a ser objecto de conversações entre o governo e a comissão negocial dos professores.
Rispito.com/RFI, 07-11-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público