quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Líderes religiosos tentam mediar crise política na Guiné-Bissau

Image result for lideres religiosos da guine bissauOs líderes das várias confissões religiosas na Guiné-Bissau iniciaram  uma série de contactos com diferentes entidades políticas do país para tentar mediar o impasse político, disse à Lusa fonte da igreja católica que lidera o processo.
Segundo a mesma fonte, o pedido de mediação foi feito pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, e o grupo é liderado pelo bispo de Bissau, José Camanté.
O grupo de religiosos iniciou esta terça feira (27 de Dezembro) as consultas, tendo sido recebido pelo líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira.

A saída do encontro na sede do PAIGC, em Bissau, nenhuma das partes prestou declarações aos jornalistas.
A seguir, o grupo deve encontrar-se com o presidente do Partido da Renovação Social (PRS), Alberto Nambeia, e de seguida com o coordenador do grupo dos 15 deputados expulsos do PAIGC, Braima Camará.
"A tarefa que o Presidente incumbiu aos religiosos é de tentar aproximar as partes", declarou a fonte da igreja católica.
José Mário Vaz pediu aos líderes das igrejas guineense no sentido de levarem as partes desavindas na crise que afeta o país a entenderem-se para que se possa cumprir um roteiro de negociações.

O roteiro, que Vaz apresentou na ultima cimeira de lideres da Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) prevê a nomeação de um novo governo, de consenso, mas desde que o PAIGC readmite nas suas fileiras dos 15 deputados expulsos, sem condições.
A direção do PAIGC, porém, tem repetido que aceita a reintegração dos deputados na sua bancada desde que retornem ao partido "como simples militantes".

A CEDEAO deu até um prazo de 30 dias, que deve terminar a 16 janeiro próximo, para que haja um entendimento na Guiné-Bissau e seja cumprido na integra o Acordo de Conacri, um instrumento que patrocina e com o qual acredita que se possa terminar com a crise.

O Presidente guineense acredita que cumprido o roteiro que elaborou o Acordo de Conacri será implementado.
A Guiné-Bissau vive uma crise política desde que, em 2015, José Mário Vaz exonerou o governo do PAIGC saído das eleições realizadas um ano antes. O atual governo, de iniciativa do Presidente, não é reconhecido por quatro dos cinco partidos no Parlamento.
Rispito.com/Lusa, 27-12-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público