quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

M'Bala Fernandes quer Cabo Verde como "advogado" para ajudar resolver crise política da Guiné-Bissau

Foto de Vitor Manuel Ilharco.
A Guiné-Bissau conta desde esta quinta feira e pela primeira vez, com um embaixador em Cabo Verde, país que quer que seja "advogado" do "irmão" guineense junto de países amigos e organizações internacionais para ajudar a resolver a crise política.


A Guiné-Bissau tinha um cônsul em Cabo Verde desde 2011, mas a partir desta semana, conta com o primeiro embaixador residente, M'Bala Alfredo Fernandes, que apresentou as cartas credenciais ao Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

No seu discurso, M'Bala Alfredo Fernandes sublinhou a evolução social, política e económica dos dois Estados e pediu a Cabo Verde que seja "advogado" da Guiné-Bissau junto dos países amigos e das organizações internacionais.

"Cabo Verde é um país, não digo o único, mas tem uma importância capital, e se puder que seja advogado da Guiné-Bissau, porque compreende os problemas que muitos países podem não compreender", afirmou o embaixador, em declarações à agência Lusa.

M'Bala Alfredo Fernandes, nomeado pelo Presidente guineense José Mário Vaz em novembro do ano passado, reconheceu os esforços de Cabo Verde em "aprofundar as relações" e disse que a acreditação naquele país marca uma "nova era" nas relações entre os dois Estados.

"É uma nova era porque são dois países irmãos, lutamos pela independência, mas é a primeira vez que temos aqui um representante residente e que poderá ser o facilitador desta cooperação e dessa concertação de Cabo Verde e Guiné-Bissau, quer a nível interno assim como nas organizações em que fazemos parte", prosseguiu o diplomata.

O primeiro embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde elegeu como compromisso para a missão resgatar o legado e valor histórico entre os dois povos e promover a diplomacia política, cultural e económica entre os dois países.

Também promete promover a integração e cidadania da comunidade guineense residente em Cabo Verde, com cerca de nove mil cidadãos, segundo as autoridades guineenses.

M'Bala Alfredo Fernandes foi durante vários anos encarregado de negócios na embaixada da Guiné-Bissau em Portugal e representante da Guiné-Bissau junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Por sua vez, o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, notou o facto de a Guiné-Bissau acreditar pela primeira vez um embaixador no país, considerando que é um "evento histórico", que representa um "passo importante" nas relações.

"Permitir uma interação dos nossos dois países mais frequente e mais direta, criando assim as condições para a consolidação das nossas relações já antigas", salientou o chefe de Estado.

Quanto à missão do embaixador, Jorge Carlos Fonseca disse desejar que possa contribuir para o fortalecimento da amizade e cooperação entre a Guiné-Bissau e Cabo Verde.

"A convivência histórica entre os dois países e as relações fraternas de séculos, oferecem um quadro favorável às relações de amizade e cooperação que devemos aproveitar e desenvolver", considerou.

Jorge Carlos Fonseca lembrou que Cabo Verde e Guiné-Bissau são partes de vários acordos em diversos domínios, mas "esperam melhores dias para a sua efetivação".

Por isso, disse que os dois países devem aproveitar o "quadro alargado" de cooperação oferecido pelos acordos para tornar a cooperação entre os dois Estados "uma realidade cada vez mais visível e potenciadora de benefícios mútuos".
Rispito.com/RTP Noticias, 23-02-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público