sexta-feira, 13 de julho de 2018

PGR fomenta crise interna no Ministério Público da Guiné-Bissau

Os magistrados dos serviços de Inspeção do Ministério Público da Guiné-Bissau acusaram hoje o Procurador-geral da República, Bacari Biai, de estar a fomentar uma crise interna no órgão e suspenderam as suas atividades de inspeção.
través de uma deliberação, a que a Lusa teve acesso, cinco magistrados que integram os serviços de inspeção do Ministério Público, Cipriano Naguelin, Pansau Natcharé, Quintino Inquebi, Romelo Barai e Victor Bacurim, acusam o Procurador, Bacari Biai de tentativa de "encobrimento de condutas ilegais de certos magistrados" alvos de sindicância.
Os cinco magistrados, todos com a categoria de procuradores gerais adjuntos, afirmam que negam "qualquer tratamento privilegiado" do Procurador-Geral da República, visando "encobrir a conduta de magistrados" alvos de investigações laborais.
Os magistrados acusam Bacari Biai de ter mandado anular uma decisão de inspeção feita sobre a atuação de alguns delegados do Ministério Público no âmbito de um processo que envolve uma empresa que tinha solicitado a sindicância do comportamento daqueles magistrados.
Por não concordarem com a atuação de Biai, os cinco membros da inspeção decidiram "suspender toda atividade imediatamente" até quando forem criadas as condições de "isenção, objetividade, imparcialidade por parte do Procurador-Geral da República", lê-se ainda na deliberação hoje divulgada em Bissau.
Os cinco magistrados "lamentam a crise interna" que afirmam ser alimentada pelo Procurador-Geral da República, o que, dizem, "não abona em nada a imagem" do Ministério Público e da própria justiça guineense, senão sustentar "única e exclusivamente condutas indevidas".
A Lusa tentou, sem sucesso, obter uma reação da procuradoria.
Rispito.com/Lusa, 13-07-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público