quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Jovens guineenses em vigília no Ministério da Educação

Um grupo de jovens guineenses está desde domingo a dormir junto ao Ministério da Educação, em Bissau, para exigir o fim da greve dos professores, que impediu o início do ano letivo.

"Exigimos o levantamento urgente da greve", afirmou hoje à Lusa Franique Alberto da Silva, coordenador da plataforma de jovens das escolas públicas e privadas do país.
Sentados em colchões, o grupo de jovens tem dormido junto ao Ministério da Educação, local de onde só pretendem sair depois do fim da greve.
"Já mataram tudo, não matem a educação", gritaram os jovens, sublinhando terem determinação para ficar a "viver" em frente ao Ministério da Educação pelo tempo necessário.
Os jovens estudantes guineenses das escolas públicas têm feito vários protestos devido à greve dos professores, que impediu a abertura das escolas em outubro para o início do novo ano letivo.

Os professores exigem do Governo, entre outros, a entrada em vigor do estatuto da carreira docente (documento em análise no Parlamento) - aprovado desde 2011, mas que ainda não é observado -, o pagamento de largos meses de salários aos docentes, novos ingressos no sistema e ainda alguns subsídios em atraso.

Hoje, os professores entregaram um novo pré-aviso de greve para o mês de dezembro.
O primeiro período do ano letivo da Guiné-Bissau decorre, por norma, entre outubro e dezembro.
Rispito.com/Lusa, 28-11-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público