sábado, 29 de dezembro de 2018

Guiné-Bissau precisa de eleições livres e justas para quebrar ciclo de instabilidade, diz Conselho de Segurança

A não ser que atores políticos da Guiné-Bissau demonstrem boa fé renovada para realizar “eleições genuinamente livres e justas”, o país continuará enfrentando um ciclo contínuo de instabilidade, alertou na quinta-feira (27) o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Em comunicado, o Conselho de Segurança lamentou o fato de o país não ter realizado eleições em 18 de novembro, como planejado, e expressou “profunda preocupação” com as preparações para as votações, agora marcadas para 10 de março de 2019.
A não ser que atores políticos da Guiné-Bissau demonstrem boa fé renovada para realizar “eleições genuinamente livres e justas”, o país continuará enfrentando um ciclo contínuo de instabilidade, alertou na quinta-feira (27) o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Em comunicado, o Conselho de Segurança lamentou o fato de o país não ter realizado eleições em 18 de novembro, como planejado, e expressou “profunda preocupação” com as preparações para as votações, agora marcadas para 10 de março de 2019.

Realizar eleições “genuinamente livres e justas” na data revisada em todo o país da África Ocidental, fronteiriço ao Senegal, é vital para preservar os “ainda frágeis ganhos” no caminho para estabilidade do país, disseram membros do Conselho.

“Eleições legislativas são um passo fundamental para retomar reformas sustentáveis e nacionais e devem acontecer antes das eleições presidenciais marcadas para 2019”, acrescentaram os membros.

Em comunicado, os membros do Conselho também reiteraram o papel importante da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) no apoio à construção e manutenção da paz na Guiné-Bissau, elogiando o bloco regional por sua “determinação” de responsabilizar aqueles que obstruem deliberadamente o processo eleitoral.

Membros do Conselho de Segurança também relembraram a implementação do Acordo de Conacri, de outubro de 2016, quadro principal para uma resolução pacífica da crise política do país, destacando sua importância para garantir estabilidade política e construir paz sustentável na Guiné-Bissau.

Membros do Conselho também elogiaram as forças de defesa e segurança do país pela “contínua não interferência” na política da Guiné-Bissau, pedindo para as forças continuarem neste caminho.

Eles também encorajaram continuação da Missão da CEDEAO na Guiné-Bissau até o fim do ciclo eleitoral em 2019 para manter estabilidade no país e convidaram parceiros internacionais para apoiar a CEDEAO nesta questão.

O comunicado do Conselho de Segurança segue um relatório da semana passada feito por Taye-Brook Zerihoun, secretário-geral assistente da ONU para Assuntos Políticos, e pelo embaixador brasileiro Mauro Vieira sobre desenvolvimentos no país.
Rispito.com/ONUBR, 29-12-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público