sexta-feira, 1 de março de 2019

PUN quer mudar “cultura de subversão” das regras democráticas

Image result for idrissa djalo pun guine bissau
O líder do Partido de Unidade Nacional (PUN), Idrissa Djaló, disse hoje que a maior contribuição da sua formação política é pretender acabar com subversão das regras democráticas na Guiné-Bissau e procurar a desmilitarização da classe política.
"No nosso entender a grande batalha é esta cultura de subversão e desrespeito pelas regras democráticas. Essa é a melhor contribuição do PUN, esta desmilitarização da classe política. Este compromisso que a classe política tem de ter com a democracia, com o respeito pela soberania do povo através do voto e respeito das regras do jogo democrático", afirmou em entrevista à Lusa Idrissa Djaló.

O Partido de Unidade Nacional foi criado após o conflito político-militar na Guiné-Bissau, entre 1998 e 1999, mas nunca elegeu nenhum deputado para a Assembleia Nacional Popular do país.

O partido não participou nas últimas eleições legislativas do país, mas o seu presidente tem sido bastante crítico em relação à a crise política que a Guiné-Bissau vive desde 2015, com a demissão do primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, vencedor das eleições de 2014, com quem assinou um acordo político.

"Muitas vezes os nossos parceiros colocam a problemática militar como causa da instabilidade na Guiné-Bissau e isso não é verdade. A causa fundamental da instabilidade reside num sistema político que não acredita na democracia, outra causa fundamental é a tentação de fazer coexistir um sistema democrático e a subversão e isso é impossível de funcionar ao mesmo tempo", salientou.

Para Idrissa Djaló, todo o sistema político é "completamente inadequado".

"Na Guiné-Bissau, todo o espaço público é ocupado pelo sistema político para fazer negócios, para arranjar um emprego. A função pública é politizada e para se servir lá dentro é preciso fazer política, as forças armadas são politizadas e a justiça instrumentalizada", disse.

Para fazer frente a estes desafios, Idrissa Djaló entende que é "importante racionalizar o espaço público, redefinir o espaço da política e reconstruir o sistema político".

"Se um sistema é bem montado, o sistema é capaz de auto proteger. Um sistema mal montado abre a porta à corrupção e à violência e é o que temos na Guiné-Bissau", salientou.

No programa do seu partido, Idrissa Djaló propõe a racionalização dos recursos do país, passando da eleição de 102 deputados para apenas 50, a despolitização da administração pública e o reforço da administração territorial, bem como a reforma do setor de defesa e segurança.

"Sem estas reformas nunca vai haver paz e estabilidade", disse.

A Guiné-Bissau realiza eleições legislativas a 10 de março. Candidataram-se ao escrutínio 21 partidos políticos.
Rispito.com/Lusa, 01-03-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público