domingo, 26 de maio de 2019

Líder do PAIGC pede às Forças Armadas para abrir "alas ao povo" para retirar o Presidente

O presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, defendeu que as Forças Armadas devem "abrir ala ao povo para resgatar os seus direitos", no discurso que marcou no sábado, 25 de Maio, o fim da terceira manifestação pacífica dos jovens afectos aos partidos que assinaram o acordo de incidência parlamentar (PAIGC,, APU-PDGB, UM e PND).
Simões Pereira afirmou que o Chefe de Estado, José Mário Vaz, está numa situação de refém, que exige o esforço do povo para o retirar dela.
O líder do PAIGC reiterou que a única via do país se reencontrar com o seu destino é aplicando a Lei.
Numa alusão ao seu recente encontro com alguns Chefes de Estados da África Ocidental sobre o impasse no Parlamento, Domingos Simões Pereira afirmou não compreender certos pedidos, visando deixar a lei de lado, "se alguns destes mesmos Chefes de Estados africanos apelidam a Guiné-Bissau de um Estado falhado".
"Não compreendemos ainda como é que a Guiné-Bissau é chamada de narco-Estado e assiste-se, contudo, a apelos para sermos tolerantes para com os narcotraficantes", questiona, Simões Pereira, acrescentando também que esta será a última manifestação com este formato.
"A próxima marcha será para responsabilizar as pessoas e removê-las da situação de sequestro em que se encontram", avisou, em referência ao Presidente, o líder do partido mais votado nas eleições de 10 de Março.
Para Domingos Simóes Pereira, a "Guiné-Bissau está em risco", e defendeu ser a "hora dos guineenses levantarem-se para resgatar os seus direitos, porque amanhã poderá ser tarde".
"Quando o Presidente da República, primeiro magistrado da nação, garante da estabilidade e Comandante em Chefe das Forças Armadas, afirmar ter medo, o que é que o povo espera?", interroga-se, precisando que José Mário Vaz não está em condições de comandar as Forças Armadas, daí que "o povo pede às Forças Armadas para abrir alas para o que possa resgatar o seu respeito e direitos que lhe assiste".
No discurso, o antigo primeiro-ministro sublinhou que "na democracia é a vontade do povo que prevalece", que, para ele, "tem que ser ouvido e respeitado", porquanto "é a hora e o momento da Guiné- Bissau reportar o império da Lei".
As manifestações voltaram às ruas de Bissau, depois de o Presidente da República, José Mário Vaz, ter recusado convidar o PAIGC, vencedor as eleições, para indicar o primeiro-ministro e consequente formação de um novo Governo, alegando o "impasse" no Parlamento, devido ao chumbo pelos deputados, do coordenador do MADEM-G15, segunda força mais votada, para o cargo de Segundo-vice-presidente da Assembleia Nacional.
Rispito.com/VOA, 26-05-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público