sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Empresário dos EUA de ascendência Balanta visita Guiné-Bissau para iniciar projetos

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e textoO empresário e atleta norte-americano Siphiwe Baleka, de ascendência balanta, chega esta sexta-feira a Bissau para uma estadia de dez dias durante a qual irá reunir-se com o governo e com a comunidade étnica.

Baleka traz na mala 100 livros de vocabulário ilustrados balanta-inglês para entregar a crianças que vivem em zonas isoladas, editados pela Sociedade de Preservação da Língua Balanta B'urassa na América, da qual é cofundador.

"Quero fazer o que puder para ajudar os Balanta e o povo da Guiné Bissau", disse à Lusa o nadador, CEO da empresa Fitness Trucking e responsável de saúde e bem-estar da Prime Inc.

"Como empresário de sucesso nos Estados Unidos, tenho uma razão particular para vir, fazer negócios e projetos de desenvolvimento", disse.


A agenda oficial inclui visitas às comunidades Balanta em Bissau, Nhacra e Mansoa, à Escola Normal Superior Tchico Té, ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP) e à Universidade Amílcar Cabral, além de reuniões com oficiais governamentais.

Entre os projetos que Baleka tem em vista está a promoção da Guiné-Bissau como destino turístico para os afro-americanos que identificarem as suas raizes no país através de testes genéticos, um movimento de grandes proporções que está a acontecer nos EUA.

"A maioria dos afro-americanos não sabem de onde vêm originalmente", afirmou o empresário. "Há um movimento nos Estados Unidos de pessoas que estão a descobrir a sua ascendência e querem reconectar-se a ela".

É um fenómeno que acontece paralelamente ao "Ano do Regresso" em África, indicou Baleka, "um momento na história em que os descendentes das pessoas que foram levadas no comércio de escravos estão a voltar para fazer negócios, turismo ou mesmo viver".

O empresário referiu a importância do movimento no Gana e noutros locais, como Serra Leoa, Gabão, Nigéria e Camarões, mas disse acreditar que "a Guiné Bissau pode fazê-lo melhor que os outros países" porque "tem vantagens únicas".

É nesse sentido que o empresário pretende iniciar projetos. "O que quero discutir com o governo é a nossa visão de como podem começar também a beneficiar do turismo de herança étnica", disse, acrescentando que, além da ligação genética, "há uma história particular [da Guiné-Bissau] que interessaria aos afro-americanos".

Uma das questões que Baleka quer abordar é a dificuldade de obtenção de vistos para os norte-americanos que querem visitar o país, "e isso tem levado pessoas a desistir de viajar".

Licenciado em Yale, Siphiwe Baleka descobriu a sua ascendência balanta através de um teste de ADN em 2010, tendo identificado a 5ª geração de avô, que foi capturado entre 1760 e 1770 e levado para os Estados Unidos através do porto de Charleston, na Carolina do Sul. Na ultima década, tornou-se perito na origem e trajeto migratório da etnia, tendo publicado três volumes sobre a sua história: "Balanta B'urassa, My Sons: Those Who Resist Remain", I, II e III.

"Também me tornei ativista e comecei a tentar identificar e organizar os outros afro-americanos de ascendência balanta e ajudá-los a encontrar a genealogia das suas famílias", afirmou.

Baleka estima que haja 30 mil descendentes de balanta nos Estados Unidos identificáveis através de testes de ADN e um número adicional indeterminado porque ninguém nas suas famílias fez qualquer teste genético.

Com a organização sem fins lucrativos Sociedade de História e Genealogia Balanta B'urassa na América, Baleka está a produzir materiais didáticos e a ensinar os interessados a falar a língua.

"Temos muitas ideias para trabalhar no futuro", afirmou.

A visita à Guiné-Bissau tem também um significado pessoal para Baleka: "sinto esta necessidade de reivindicar o que me foi tirado, a minha herança balanta, a cultura, língua, espiritualidade do meu antepassado, que lhe foram roubadas", disse.

"Sou a primeira pessoa na minha família a voltar à pátria depois de 250 anos".

Após esta visita inicial, Baleka regressará no final de maio com um grupo de 13 descendentes balanta "para terem uma experiência de regresso a casa", que o empresário acredita poder ser "o pontapé de saída" numa nova era de turismo.

"Quando fizermos isso, os outros grupos étnicos vão querer ir também", projetou.

"A Guiné Bissau vai assistir a um fluxo de pessoas vindas dos Estados Unidos que identificaram os seus ascendentes e querem conectar-se. Quero ajudar a o país a preparar-se para os receber", afirmou, considerando que "haverá um aumento do fluxo de capitais só por causa do turismo" e que, no futuro, isso gerará "oportunidades para investimento e desenvolvimento".
Rispito.com/Lusa, 10/01/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público