sexta-feira, 3 de abril de 2020

A FOME ESPREITA ATRÁS DO COVID-19

A imagem pode conter: Nelvina Barreto, selfie e closeupComo garantir a segurança alimentar da população em tempos de crise sanitária? 
A Guine Bissau não foi poupada a pandemia causada pelo covid-19, acusando neste momento 9 casos positivos, de acordo com os dados oficiais.
Medidas de prevenção a nível sanitário estão a ser tomadas, embora a sua eficácia e aderência popular sejam questionáveis. De momento todas as atenções e mecanismos disponíveis orientam-se para a sensibilização da população sobre os cuidados a ter para evitar a doença e/ou garantir que ela não se dissemine por todo o Pais.
Naturalmente existe muito por fazer e correções importantes a introduzir em termos de respostas ao surto epidémico. Essas medidas não devem limitar-se a declaração do estado de emergência nacional, cujas consequências poderão causar mais danos do que benefícios. Contudo, existem profissionais com mais autoridade e competência na matéria para apontar caminhos e propor soluções consentâneas com o contexto em que vivemos.  

E é aqui que gostaria de chamar a atenção para um aspecto da crise que me parece estar a ser negligenciado neste momento.
A maioria da população da Guine Bissau, perto de 70%, vive em zonas rurais e tem como principal sustento a pequena agricultura familiar, ocupada essencialmente por duas culturas predominantes: o arroz e o caju.

i. O arroz é o principal produto da cesta básica dos guineenses. Estima-se a produção nacional em cerca de 150 mil toneladas por ano, contra um consumo de 200 mil toneladas. O deficit alimentar nacional varia de 45 a 60 mil toneladas por ano. Perto de 40% dos cereais consumidos no Pais são importados. 
ii. A maioria das famílias guineenses depende da campanha da colheita do caju para comprar comida, vestuário e outros bens durante o resto do ano. Ora, sendo o caju uma commodity apreciada sobretudo pelos consumidores europeus e americanos, em época de crise e por não ser um bem essencial, a sua procura irá naturalmente diminuir.

Quais os meios de mitigação que podem ser encontrados para fazer face a uma conjuntura nacional e global adversas?
  • 1- Em todo o país, em parceria com as agências do sistema das NU e com o apoio de projectos em curso financiados por algumas organizações internacionais como a União Européia, o Banco Mundial e o BAD, proceder a um rápido  levantamento para identificar as famílias em estado de carência extrema, para organizar a transferência de dinheiro que permitirá a esses agregados adquirir bens de primeira necessidade;
  • 2 - Ás comunidades das zonas rurais que vivem essencialmente da atividade agrícola, distribuir sementes de arroz, milho, mancarra e feijão, através do INPA e apoiar com máquinas para o cultivo de maiores extensões de terra, para aumentar a sua capacidade de produção;
  • 3 - Distribuir igualmente animais de ciclo curto que poderá garantir carne necessária para a dieta alimentar e simultaneamente servir de fonte de renda;
  • 4 - Reabilitar com urgência  os silos existentes em todas as regiões para permitir o armazenamento das colheitas;
  • 5 - Estando em plena campanha do caju, deverão ser informados os produtores, com o apoio das ONGs e cooperativas  locais, para secar convenientemente e estocar a castanha de caju, de forma a não ganhar humidade;
  • 6 - Mobilizar recursos junto aos parceiros internacionais para adquirir a castanha de caju produzida pelas famílias, aguardando que o comércio internacional se recomponha e que possa então ser vendida por um bom preço;
  • 7 - Fazer campanhas de sensibilização e de informação através das rádios comunitárias e em línguas nacionais, sobre a necessidade de fazer poupanças para garantir a provisão de alimentos durante pelo menos 6 meses. 

O objetivo principal é fazer da luta contra o coronavirus e contra a fome, o mesmo combate!
Nelvina Barreto
02.04.2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público