quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Enfermeiros e técnicos de saúde em greve em plena pandemia

Sindicato dos Enfermeiros e Técnicos de Saúde da Guiné-Bissau inicia esta quarta-feira uma greve de
sete dias para exigir a regularização da carreira, pagamentos de dívi
das em atraso e melhores condições de trabalho.

"As nossas principais reivindicações estão relacionadas com os pagamentos, inúmeras dívidas que o Estado tem como salários, subsídios de 2015, 2017 e 2018 e com a parte legislativa", disse à Lusa o presidente do Sindicato Nacional dos Enfermeiros e Técnicos de Saúde da Guiné-Bissau, Yoio João Correia.

Segundo o dirigente sindical, a questão essencial não é só o pagamento, mas a regularização da carreira dos técnicos de saúde. 

"Alguns documentos relativo à carreira de técnicos de saúde deviam ter sido aplicados em maio e ainda não foram aprovados. Existem muitos técnicos que não têm carteira profissional é importante haver uma organização que regularize o exercício de enfermagem", salientou.

O presidente do sindicato esteve reunido na semana passada com o ministro das Finanças, João Fadiá, que se mostrou disponível para liquidar as dívidas, mas o Ministério da Saúde não disponibilizou todos os documentos necessários.

Situação de calamidade proíbe realização de greves

O Governo da Guiné-Bissau declarou na semana passada situação de calamidade e emergência de saúde no país até dezembro no âmbito do combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus. O regulamento da situação de calamidade proíbe a realização de greves, bem como os despedimentos.

"Nós temos consciência disso, mas os governantes também têm consciência das condições dos técnicos de saúde. Neste momento, a nível mundial, todos os técnicos estão a merecer atenção especial, menos na Guiné-Bissau", lamentou Yoio João Correia.

Para o presidente do Sindicato dos Enfermeiros e Técnicos de Saúde da Guiné-Bissau, há "desinteresse do Governo". "Numa pandemia também devemos ter condições mínimas de trabalho. O nosso objetivo é ter boas condições de saúde para toda a população", disse Yoio João Correia, salientando não fazer sentido estancar reivindicações através da situação de calamidade.

"Pedimos à população para compreender o nosso propósito, que é exigir condições. Não nos sentimos bem quando recorrem ao nosso serviço e não podemos fazer nada para ajudar", concluiu.

 A Guiné-Bissau registou até ao momento 39 mortos e 2.303 casos de infeção pelo novo coronavírus. 
Rispito.com/DW, 16/09/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público