segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Polícia prende director dos Serviços de Migração


A Polícia Judiciaria (PJ) da Guiné-Bissau prendeu, sábado ao fim do dia, o director-geral dos Serviços de Migração, Estrangeiros e Fronteiras, Alassana Djaló, num caso de alegado envolvimento no desaparecimento de cocaína, disse, ontem à Lusa, fonte da corporação.
.Djaló foi detido em Bissau, após algumas horas de audição na sede da PJ, num caso de desaparecimento de 83 cápsulas de cocaína que a Polícia apreendeu na posse de um cidadão luso-guineense que se preparava para viajar para Lisboa.

A fonte da PJ precisou que os agentes destacados no aeroporto internacional Osvaldo Vieira apreenderam as cápsulas e detiveram o suspeito, mas horas depois um contingente da Guarda Nacional ordenou a libertação do homem e levaram consigo as 83 cápsulas que os testes comprovaram ser cocaína pura. O caso remonta ao mês de Março. A PJ acredita que as cápsulas recuperadas das mãos da Guarda Nacional, “foram adulteradas”.

As investigações da PJ revelaram que a ordem de libertação e apreensão das cápsulas teriam partido de Alassana Djaló, na altura comandante da Divisão de Investigação Criminal da Guarda Nacional, refere a fonte policial.

“O caso já é do conhecimento das autoridades”, disse a fonte da PJ, sublinhando que, hoje, Alassana Djaló será presente ao Juiz de Instrução Criminal (JIC) para validação ou não da sua prisão preventiva.


Embaló saúda postura dos militares

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, saudou, ontem, o afastamento das Forças Armadas das “querelas políticas desde 2014”, considerando que tal permitiu ao país estar em paz e concentrar-se no desenvolvimento.

Segundo a Lusa, num discurso para assinalar o fim da missão das forças da Ecomib (contingente militar oeste-africano) na Guiné-Bissau, Sissoco Embaló felicitou aquelas forças, bem como as da Guiné-Bissau, pelo “comportamento exemplar”.

“Hoje estamos engajados em manter a paz no nosso país, demos sinais claros da vontade de mudar a página da nossa história política recente e encontrar o caminho para o desenvolvimento, e para isso conto com a participação de todos os guineenses”, disse o Chefe de Estado guineense.

O Presidente guineense agradeceu a contribuição da Ecomib (força constituída por militares e polícias de quatro países da África Ocidental), os líderes de todos os países da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) e instituições sub-regionais.

“Decorridos quase nove anos desde a data, em que a força da Ecomib chegou ao nosso país, as autoridades e o povo guineense registaram com particular satisfação o comportamento exemplar por eles demonstrado, apesar de estarem longe dos seus familiares, amigos e os demais que lhes são próximos”, frisou o Chefe de Estado da Guiné-Bissau.

O Presidente guineense manifestou-se convicto de que o comportamento da Ecomib, que agora se prepara para deixar a Guiné-Bissau, vai servir de exemplo às forças de defesa e segurança do país.

“O país conta, neste momento, com um Presidente da República democraticamente eleito pelo povo, um Governo inclusivo e legitimado pelo povo, em plenas funções e com o programa de Governo e o Orçamento Geral do Estado aprovados pela Assembleia Nacional Popular”, disse.

O Chefe de Estado guineense considerou, ainda, que o país cumpriu todos os passos previstos no roteiro proposto pela CEDEAO para a estabilização do país, faltando apenas concluir a revisão constitucional, que, disse estar na fases final.

A força de interposição, constituída por cerca de 700 elementos, tinha como missão a protecção física dos titulares dos órgãos de soberania e principais líderes políticos guineenses.
Rispito.com/Jornal de Angola, 14/09/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público