quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Associação da Indústria Madeireira da Guiné-Bissau denuncia abate de árvores nas florestas do país

O presidente da Associação da Indústria Madeireira da Guiné-Bissau, José António Sá, denunciou o abate de árvores nas florestas do país por pessoas "estranhas ao serviço".

"Estivemos com o Presidente para expor a situação dos madeireiros e que as florestas estão a ser invadidas por pessoas estranhas a esse serviço", afirmou José António Sá aos jornalistas, no final de um encontro com o chefe de Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló.

Questionado pelos jornalistas se denunciaram que nas florestas está a ser cortada madeira por pessoas que não têm licença, José António Sá precisou que foi exatamente o que tinham vindo denunciar.

O presidente da Associação da Indústria Madeireira da Guiné-Bissau, José António Sá, denunciou hoje o abate de árvores nas florestas do país por pessoas "estranhas ao serviço".
"Estivemos com o Presidente para expor a situação dos madeireiros e que as florestas estão a ser invadidas por pessoas estranhas a esse serviço", afirmou José António Sá aos jornalistas, no final de um encontro com o chefe de Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló.

Questionado pelos jornalistas se denunciaram que nas florestas está a ser cortada madeira por pessoas que não têm licença, José António Sá precisou que foi exatamente o que tinham vindo denunciar.
"A brigada de proteção do ambiente está justamente no local denunciado por nós", disse.

Na Guiné-Bissau, apenas 12 serrações têm licença para cortar árvores, mas estão paradas desde a moratória de 2015, que proibiu o abate de árvores.
"Há serrações montadas em Bissau depois da moratória de 2015. É preciso desmantelar as serrações ilegais", disse.

O atual Governo da Guiné-Bissau decidiu levantar a moratória por um novo período especial de abate para cinco anos, mas com regras claras e rígidas, que passam, nomeadamente, que a serração que realize o abate apresente um plano de repovoamento e reflorestação, a imposição de quotas e a proibição de exportação de toros de madeira.

A Polícia Judiciária tem estado a realizar uma investigação ao corte ilegal de árvores, tendo recentemente apreendido uma série de toros e selado uma serração em Bissau.

Segundo a imprensa guineense, algumas personalidades políticas estarão envolvidas no abate ilegal de árvores.

A Polícia Judiciária ainda não deu informações sobre a operação em curso, nem se foram, até ao momento, constituídos suspeitos.

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, constitui recentemente uma comissão, chefiada pelo ministro do Ambiente, para drenar madeira cortada, antes da moratória de 2015, e que estaria ainda em depósitos nas florestas.
Rispito.com/Lusa, 12/11/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público