quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

África  condena ameaças de morte contra secretário geral da UNTG

A Organização Regional Africana da Confederação Sindical Internacional(CSI-África) condenou, recentemente, as ameaças de morte, por pessoas desconhecidas, dirigidas contra o secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné(UNTG), para que este ponha termo as greves na função pública.

A informação vem expressa numa carta do secretário-geral do CSI-África dirigida ao Chefe de Estado guineense, publicada na página oficial da UNTG na rede socia, Facebook

O secretário-geral da CSI-África pede ao governo guineense para garantir segurança ao Júlio António Mendonça e à outros líderes sindicais, que ponha termo à atos de limitação e ameaças contra os líderes sindicais e que abrace um diálogo social significativo, para abordar as queixas dos sindicatos e da população em geral.

A UNTG está envolvida em acções de protesto contra os aumentos de impostos anunciados pelo governo em novembro de 2020 e aprovados pelo parlamento e promulgados pelo Presidente da República, a 28 de janeiro de 2021.

De acordo com a missiva, os funcionários denunciam que a elite continua a gozar de “privilégios obscenos” enquanto que a maioria dos servidores públicos e a população é negligenciada, sem segurança de rendimentos ou proteção social durante as restrições da covid-19.
“As medidas governamentais recentes incluem a atribuição de valores exorbitantes de subsídios aos órgãos de soberania e antigos membros dos mesmos, a suspensão e despedimento de empregados que se crê pertencerem a um partido político diferente, atos de nepotismo no recrutamento dos trabalhadores dos serviços públicos, resultando em excesso de pessoal e aumentos injustiçado dos salários para alguns”, refere a carta.

O Comité de Liberdade Sindical (CFA) da Organização Internacional do Trabalho(OIT), estabeleceu o princípio de que “as organizações responsáveis pela defesa dos interesses socioeconómicos e profissionais dos trabalhadores devem poder utilizar a greve para apoiar a sua posição na procura de soluções para os problemas colocados pelas crises sociais”.

A CSI-África chamou atenção ao Umaro Sissoco Embaló para ter em conta a Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos que protege o direito à liberdade , segurança pessoal, de expressão, opinião e associação, frisando que, estes direitos e liberdades devem ser respeitados pelo Rispito.com/ANG/JD/SG, 11-02-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público