quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

ARISTIDES GOMES VAI ABANDONAR A GUINÉ BISSAU POR MOTIVOS DE SAÚDE

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, deverá deslocar-se ao estrangeiro, nos próximos dias, por motivos de saúde.

A informação consta numa nota da imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação Internacional e das Comunidades, divulgado hoje em Bissau.
"Foi possível criar as condições diplomáticas para um acordo entre a Representação das Nações Unidas na Guiné-Bissau e o Ministério Público, relativamente à situação de Aristides Gomes, que se encontra albergado na referida representação e que, por motivos de saúde, deverá deslocar-se ao estrangeiro, razão pela qual assim que, a Procuradoria Geral da República o autorizar mediante despacho, poderá sair do país para tratamento médico", refere a nota.

No documento que a Rádio Jovem teve acesso, o Ministério dos Negócios Estrangeiros guineense informa que as diligências diplomáticas efectuadas pela ONU, cujo resultado agora é dado a conhecer à opinião pública nacional e internacional, vem confirmar o pleno respeito aos compromissos internacionais assumidos pelo Estado da Guiné-Bissau, nomeadamente a Declaração da ONU sobre os Direitos Humanos e a Carta África sobre o Direitos dos Homens e dos Povos.

Em agosto de 2020, o Procurador-geral da República (PGR), Fernando Gomes, informou que Aristides Gomes estivera indiciado pela prática de vários crimes.

No entanto, os advogados de defesa do ex-governante disseram, na altura, que não existira nenhum processo contra o seu constituinte no Tribunal de Relação, a entidade competente para realizar um eventual julgamento.

O ex-primeiro-ministro, Aristides Gomes, está refugiado desde fevereiro do ano passado nas instalações do UNIOGBIS, em Bissau, alegando motivos de segurança e ameaça à sua vida.
Rispito.com/AC, 11-02-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público