quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

PJ DETEM MÉDICOS QUE ATENDEREM O ATIVISTA BERNARDO NO HOSPITAL SIMÃO MENDES

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, no início da tarde desta quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021, os médicos Lassana N’Tchasso e Arlindo João Quadé. Os dois especialistas teriam atendido, nas urgências do Hospital Nacional Simão Mendes (HNSM), o ativista e jurista Bernardo Mário Catchura, tendo-o encaminhado posteriormente para uma clínica privada do Dr. Lassana N’Tchasso, sito no bairro militar, em Bissau, alegando falta de oxigénio para intervenção cirúrgica.

De acordo com a informação a que O Democrata teve acesso   junto da corporação policial, Lassana N’Tchasso era o médico que estava de serviço (plantão)  no HNSM naquele dia e estava a ser coadjuvado por Arlindo João Quadé, também ele médico.

A fonte adianta que o médico Arlindo João Quadé atendeu o malogrado e depois orientou-o para ir à clínica privada do cirurgião Lassana N’Tchasso, no bairro militar, porque “não havia oxigénio no bloco operatório do Hospital Nacional Simão Mendes”.

Bernardo Mário Catchura faleceu a 29 de janeiro de 2021, vítima de dores de barriga, depois de tentar um tratamento médico no hospital militar, no hospital Simão Mendes e na Clínica do Dr. Lassana N’Tchasso, onde acabou por perder a vida.

A PJ iniciou uma investigação e no âmbito da mesma, deteve hoje os dois médicos cirurgiões, que se encontram neste momento nas celas do Centro de Detenção da PJ de Bandim.

Entretanto, a vice-Procuradora Geral da República, Teresa Mendes, tinha anunciado ontem (terça-feira) a abertura de um inquérito e pediu calma aos amigos e familiares de Bernardo Catchura, falecido na passada sexta-feira, aos 39 anos de idade.
“O Procurador Geral da República mandou abrir o competente inquérito para apurar responsabilidades de quem quer que seja”, na morte de Catchura, que era também músico e jurista.
Rispito.com/O Democrata, 04-02-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público