quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Militares com dificuldades para tirarem do campo arroz produzido

Os militares da Guiné-Bissau estão com dificuldades para tirarem dos campos agrícolas "grandes quantidades" de arroz produzido por falta de máquinas de corte do cereal, disse hoje à agência Lusa, Lassana Ndami, chefe de produção do exército guineense.
Por iniciativa do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, soldados guineenses produziram arroz nos campos agrícolas de Birikama, Fa Mandinga, Bidinga Na Nhasse e Bul, no leste do país, mas agora a dificuldade é tirar o produto do terreno.

O general Lassana Ndami acrescentou que o arroz produzido provém da totalidade dos 21 hectares dos quatro campos.
O arroz é a base da dieta alimentar dos guineenses mas grande parte do cereal consumido no país é importado.
Em condições normais, a Guiné-Bissau produz cerca de 111 mil toneladas de arroz e importa cerca de 150 mil toneladas, que custam 75 milhões de dólares (70,3 milhões de euros).

"Estamos com dificuldades para tirar o arroz porque foi uma produção de máquinas e agora não temos como tirar o arroz dos campos com a mão", disse o chefe da divisão de produção das Forças Armadas guineenses.
O ministro da Agricultura visitou os quatro campos e prometeu tentar arranjar uma solução mas até lá os militares vão tirando o arroz com a mão com ajuda de populares, afirmou o general Ndami.

O chefe da divisão de produção das Forças Armadas disse que o cultivo do arroz "é a resposta dos militares" ao apelo lançado pelo chefe do Estado-Maior, general Biague Na Ntan no sentido de "deixarem os problemas políticos com os políticos".
"Pediu-nos que trabalhemos. Deixemos a política com os políticos. Foi o que fizemos com esta grande quantidade de arroz que produzimos", enfatizou Lassana Ndami.
Sobre o destino a dar ao arroz produzido nos quatro campos de lavoura, o general Ndami afirmou que caberá ao Governo decidir.
Rispito.com/Lusa, 12-01-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público