terça-feira, 7 de novembro de 2017

Partidos guineenses querem lançar acção contra José Mário Vaz no TPI

Durante este fim-de-semana, o colectivo de Partidos Políticos Democráticos que congrega 17 formações com e sem assento parlamentar, nomeadamente o PAIGC, organizou um comício em Bissau, em que anunciou que pretende lançar uma acção contra o Presidente da República junto do Tribunal Penal Internacional por alegado encobrimento das supostas ligações do Primeiro-ministro com terroristas.

Ao referir que o colectivo tem em mãos elementos suficientes para lançar esta acção, o presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, declarou que antes de nomear o actual Primeiro-Ministro, o Presidente José Mário Vaz tinha sido informado “por elementos da secreta internacional" das alegadas ligações entre Umaro Sissoco e terroristas, pelo que "o Presidente será responsabilizado por todas as consequências deste acto”, acrescentou ainda Domingos Simões Pereira.

Ao anunciar que o colectivo pretende realizar marchas nos dias 16 e 17 de Novembro no intuito de exigir que sejam cumpridos os acordos de Conacri, o líder do PAIGC preveniu o Presidente da República sobre uma eventual veleidade de decretar o Estado de Emergência de que “não depende apenas da sua vontade a decisão de enviar os militares às ruas para baterem nas pessoas que estão a manifestar." No mesmo sentido, também presente no comício, o presidente da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau, Nuno Nabiam, declarou que as marchas vão decorrer até que o Presidente José Mário Vaz aplique as exigências do colectivo.
Rispito.com/RFI, 07-11-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público