segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Nota de Imprensa

É com imensa preocupação e consternação que o Movimento Nacional da Sociedade Civil para Paz, Democracia, e Desenvolvimento tomou conhecimento de mais uma flagrante violação dos direitos humanos ocorrida junto a fronteira com a vizinha República do Senegal, mais, concretamente, na região fronteiriça do setor de Pirada, entre um grupo de cidadãos guineenses que seguiam para um evento religioso com as forças senegalesas. 

A Guiné-Bissau e o Senegal são países irmãos que historicamente têm estabelecido fortes laços de amizade e de intercâmbio nos diversos domínios da vida pública, sobretudo, cultural, religioso, económico e fronteiriços. 

Com a criação da CEDEAO na década de 70 e, consequente concepção de uma zona económica comum que, do ponto de vista legal, deveria assegurar a livre circulação de pessoas e bens, se pensava que poderia aproximar ainda mais o nível de intercâmbio entre os dois povos.

O Movimento Nacional da Sociedade Civil para Paz, Democracia e Desenvolvimento tendo acompanhado as sistemáticas violações da cidadania e dos direitos humanos junto as fronteiras dos dois países, vem chamando a atenção para o seguinte:

Considerando a violação pelos respectivos Estados-membros da CEDEAO no cumprimento das directrizes do acordo sobre a livre circulação de pessoas e bens;
Considerando que os Estados-membros não se engajaram política e administrativamente no cumprimento dos acordos;
Considerando que as forças senegalesas têm sistematicamente demonstrado a sua incapacidade em lidar com as reivindicações dos cidadãos guineenses na fronteira;
Considerando que no ano passado um deputado guineense foi brutalmente agredido pelas forças senegalesas no posto fronteiriço de Ziguinchor, além de ficar sob custódia por algumas horas;
Considerando que no passado dia 8 do corrente um cidadão guineense foi mortal e violentamente atingido por um agente das forças senegalesas, num acto cobarde de autêntico abuso do poder no posto fronteiriço de  Tabu(NHENAU);

E, tendo em conta a gravidade dos actos, o Movimento vem manifestar o seguinte:

1. Condenar com veemência esse acto ignóbil, covarde e violento contra um civil indefeso;
2. Responsabilizar as autoridades senegalesas pelo sucedido;
3. Exigir ao Estado da Guiné-Bissau através da Comissão Especializada da ANP para Assuntos de Emigração e dos Direitos Humanos e o Ministério dos Negócios Estrangeiros a interpelarem o Estado senegalês;
4. Apelar a participação massiva da sociedade civil guineense numa vigília cívica a realizar-se nos próximos dias junto a representação diplomática senegalesa em Bissau;
5. Apelar a CEDEAO a exigir os Estados-membros o rigoroso cumprimento dos acordos e compromissos assumidos;  
6. Endereçar os profundos cumprimentos de dor à família enluta e a toda a sociedade guineense. 

Feito em Bissau aos 11 dias do mês Fevereiro de 2018.

A Direcção Nacional


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público