quinta-feira, 7 de junho de 2018

ENTREVISTA: Governo guineense eliminou barreiras à exportação de caju - PM

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau disse hoje que as barreiras à exportação de caju que resultaram de ações ilegais de agentes do Estado já foram eliminadas, mas reconheceu que a campanha deste ano vai ficar comprometida.

Em entrevista à agência Lusa em Lisboa, Aristides Gomes referiu que estas barreiras "não tarifárias" foram "inventadas por agentes da polícia, da guarda nacional" e "perturbavam a atividade económica, particularmente o escoamento de produtos".

"Temos uma certa degradação das instituições do Estado que faz com que quem tenha algum poder aproveita a fraqueza das instituições em proveito próprio", disse, explicando que os agentes do Estado cobravam "valores ilegais aos camiões que circulavam com mercadorias".

"Já eliminámos essas barreiras, teoricamente, agora é preciso na prática verificar e fazer a supervisão para que os resíduos dessas barreiras não continuem a prejudicar a livre circulação de mercadorias", acrescentou Aristides Gomes.

Segundo o primeiro-ministro, além destes problemas, a campanha de caju, principal atividade económica do país, atrasou, em vez de começar em março começou em maio, houve uma praga e uma tempestade do deserto.

"Os prejuízos são enormes", disse, estimando em 14 mil milhões de francos cfa (cerca de 21 milhões de euros) o valor que o Estado perdeu em impostos, referindo que as estimativas de produção desceram de 200 mil para 160 mil toneladas.

Questionado sobre a capacidade atual do país de atrair investimento estrangeiro face às sucessivas crises que a Guiné-Bissau tem atravessado, Aristides Gomes referiu que "além da disciplina orçamental", que "é fundamental sobretudo em países que não têm recursos", é "preciso um acompanhamento político" para criar "as condições ideais para atrair investimento".

O primeiro-ministro referiu que está a ser feito um trabalho nesse sentido, não apenas no país, mas a nível das embaixadas, com o objetivo de a Guiné-Bissau adquirir "maior capacidade de convencer os investidores a irem para a Guiné-Bissau".

"O caminho é bom, agora o ótimo, temos de trabalhar para chegar lá", concluiu.

Aristides Gomes falava à Lusa durante uma escala em Lisboa a caminho de Bruxelas, onde se encontra na quinta-feira com o comissário europeu da Cooperação Internacional e Desenvolvimento, Neven Mimica.

O objetivo desta visita a Bruxelas, acrescentou, é explicar "os avanços" para criar "as condições materiais e subjetivas" para as reformas de Estado que conduzam a Guiné-Bissau "a uma estabilização definitiva em termos políticos".
Lusa, 06-06-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público