sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Advogados pedem libertação de militares presos

mediaO prazo da acusação provisória e definitiva passaram e nós, advogados de defesa, entrámos com um pedido de 'habeas corpus', que foi congelado pelo tribunal e não foi enviado para o Supremo Tribunal de Justiça. Agora já passaram seis meses", disse o advogado Ricardino Nancassa, citado pela Agência de Notícias da Guiné-Bissau.

O advogado, que falava em conferência de imprensa, afirmou que, segundo a lei, uma vez ultrapassado o prazo de seis meses sem condenação em primeira instância, a pessoa detida tem de ser libertada, o que não aconteceu.

Ricardino Nancassa esclareceu também que o juiz de instrução criminal ouviu os detidos e revogou a prisão preventiva, mas os militares continuam detidos.

Em dezembro, a Liga Guineense dos Direitos Humanos alertou para a situação em que estavam detidos os militares suspeitos de tentar assassinar o chefe das Forças Armadas.

Os militares foram detidos em 16 de dezembro.
Rispito.com/DN, 17-08-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público