segunda-feira, 1 de julho de 2019

CEDEAO quer novo Governo da Guiné-Bissau até quarta-feira

A CEDEAO quer que o novo Governo da Guiné-Bissau tome posse até dia 3 de Julho, quarta-feira. Data limite igualmente para a nomeação de um novo Procurador-Geral da República.

A decisão foi tomada durante a 55.ª cimeira dos chefes de Estado e de Governo da CEDEAO, que decorreu em Abuja, na Nigéria.

No mesmo encontro, o bloco decidiu que o Presidente guineense, José Mário Vaz, vai permanecer em funções até à eleição do seu sucessor. Mas fica sem poderes para se ingerir nos assuntos da governação. O presidente “deve confinar-se a uma actividade puramente formal, sem qualquer poder de decisão”, alerta o constitucionalista Jorge Miranda.

Este sábado, em Abuja, na Nigéria, na cimeira dos chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da Africa Ocidental, ficou decidido que um novo governo guineense deve tomar posse até quarta-feira, 3 de Julho, e que “o Presidente permanecerá no cargo até às eleições presidenciais, mas deixará toda a gestão dos assuntos governamentais para o recém-formado governo”. Também deverá ser nomeado um novo Procurador-Geral da República até à próxima quarta-feira.

Image result for português Jorge MirandaApesar de considerar que a decisão da CEDEAO possa ser interpretada como "uma ingerência nos assuntos internos" da Guiné-Bissau, o constitucionalista português Jorge Miranda explicou à RFI que “é muito importante que o Presidente se mantenha só formalmente em funções”.

“É muito importante que o Presidente se mantenha só formalmente em funções e não com qualquer poder real. Mesmo que não seja poder governativo, é muito importante que ele não tenha nenhum poder real. Deve confinar-se a uma actividade puramente formal, sem qualquer poder de decisão. Portanto, ele tem que se afastar de qualquer possibilidade de intervenção política”, declarou o professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Entretanto, o mandato de José Mário Vaz expirou a 23 de Junho e, a 19 de Junho, ele acabou por marcar data para as presidenciais: 24 de Novembro.

Dias depois do final do seu mandato, a 27 de Junho, a Assembleia Nacional aprovou, por maioria, uma resolução a determinar a cessação imediata das funções do Presidente da República e a sua substituição no cargo pelo presidente do parlamento. No sábado, durante a cimeira da CEDEAO, José Mário Vaz considerou a resolução aprovada a Assembleia como um "acto irresponsável", que "viola grosseiramente a Constituição da República". Algo refutado pelo constitucionalista Jorge Miranda.

“Ele é que viola grosseiramente porque o que é normal em qualquer país civilizado é que quando se termina um mandato, sei lá, no dia 1 de um determinado mês, sejam convocadas eleições para 30 ou 60 ou 90 dias antes de maneira que o Presidente no dia em que termina o mandato entrega o poder ao novo Presidente. Ora, na Guiné-Bissau, isso não aconteceu”, declarou.
O professor de Direito vê, por isso, “com muita tristeza e preocupação” a situação na Guiné-Bissau” e pensa que tudo “vai depender muito – infelizmente como se vê também na Venezuela – das Forças Armadas”.

“Na Venezuela, por exemplo, Maduro em rigor já não é presidente mas como tem o apoio das Forças Armadas vai-se mantendo. Vamos ver e espero que na Guiné não aconteça isso”, concluiu, porque “quem tem poder é quem consegue ter o poder das Forças Armadas”.
Rispito.com/RFI, 01-07-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público