sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Marceano Indi diz que foi aliciado para votar contra programa do Governo

Image result for marciano indi apu-pdgbAssembleia de Povo Unido – Partido Democrático da GuinéBissau (APU-PDGB), Marceano Indi, advertiu esta segunda-feira 16 de Dezembro que todos aqueles estão a actuar fora das normas estatutárias do partido, não são verdadeiros militantes da APUPDGB.

“O nosso partido tem regras, tem estatutos que o orientam, e é com bases nelas que funcionamos, portanto quem esteja a andar fora, não faz parte do partido”, disse Indi aos jornalistas no seu regresso a Bissau, após ter participado na Nigéria numa sessão parlamentar da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

 Na mesma ocasião o deputado denunciou ter sido alvo de uma tentativa aliciamento para não votar o programa do Governo de Aristides Gomes, tendo sido prometido bens materiais e dinheiro, que não aceitou, justiçando a sua postura com base na coerência e na observância do acordo de incidência parlamentar assinado entre a sua formação política e o Partido Africano da independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) a 12 de Março, 2019

“Fomos solicitados por muitos deles” que diziam “não vote o programa do governo do Aristides, temos dinheiro para si, viatura e uma pasta no governo a ser constituído. Disse-lhes que não, e o que mais me importa é a minha dignidade”, revelou Indi que garantiu que, juntamente com seus colegas da bancada da APU-PDGB, foi ameaçado quando da  votação do programa do Governo.

“Para garantir da estabilidade Governativa, nós decidimos apoiar a candidatura de Domingos Simões Pereira na segunda voltas das eleições presidenciais do dia 29 de Dezembro”, sublinhou Marceano Indi lembrando que o acordo assinado em Março com PAIGC, prevê também que qualquer um dos candidatos que passar para a segunda volta, deve ser apoiado pelas restantes formações políticas.

 “Neste acordo garantimos que vamos apoiar uma governação durante 4 anos, o que exige muitas coisas. No espírito do acordo ressalvamos que qualquer um dos candidatos que vier a passar para segunda volta das presidenciais deve ser apoiado pelo outro, o que não foi caso com o nosso candidato Nuno Nabiam, portanto não seria justo não apoiarmos candidatura de Domingos Simões Pereira na segunda volta”, insistiu.

As posições manifestas Marceano Indi são uma reacção à decisão de Nuno Nabiam, presidente da APUPDGB, que assinou a 3 de Dezembro 2019 em Dakar, um compromisso político em que manifesta apoio ao candidato Umaro Sissoco Embaló na segunda volta das eleições presidenciais a ter lugar a 29 de Dezembro, um acto demarcado pala direcção do seu partido que insiste no apoio ao candidato do PAIGC.
Rispito.com/e-Global, 20/12/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público