terça-feira, 24 de dezembro de 2019

PM critica campanha de "desinformação" e assegura que salários estão em dia

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, disse hoje que não há salários em atraso na função pública guineense e lamentou a "campanha de desinformação" que está a ser feita para "intoxicar a população".

"Na sequência de uma campanha premeditada de desinformação, cuja intenção é intoxicar a opinião pública nacional com o intuito de retirar algum proveito político nas eleições do próximo domingo uns indivíduos, disposto a chegar ao poder a qualquer preço, estão a espalhar a ideia de que o Governo tem algum salário na função pública por pagar", pode ler-se numa mensagem do primeiro-ministro divulgada nas redes sociais.

Segundo Aristides Gomes, aquela informação é "simplesmente mais uma inverdade de quem não tem o hábito de dizer a verdade".
"Pelo contrário, o que houve e que pode ser confirmado pelos professores é um aumento nos seus ordenados a partir do mês de novembro. Um processo que será alargado de forma progressiva a todas as outras categorias de funcionários públicos", sublinhou o primeiro-ministro.

Na mensagem, Aristides Gomes deseja um bom Natal a todos os guineenses e afirma que o salário deste mês vai ser pago na quinta-feira.

A Guiné-Bissau realiza domingo a segunda volta das eleições presidenciais.

Mais de 760.000 guineenses são chamados às urnas para escolher o próximo Presidente do país entre Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), e Umaro Sissoco Embaló, do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15).
Rispito.com/Lusa, 24-12-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público