sexta-feira, 13 de novembro de 2020

PR guineense satisfeito com a forma como classe médica lida com a pandemia

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, disse hoje que está "muito satisfeito" com a forma como a classe médica do país tem lidado com a pandemia provocada pelo novo coranavirus.
Sissoco Embaló visitou hoje o Hospital Nacional Simão Mendes em Bissau, local onde são internados e tratados a maioria das pessoas infetadas pela covid-19 e aproveitou para se dirigir ao pessoal médico do país.
"Vim cá encorajar-vos pelo vosso papel durante esta pandemia do coronavírus. Estou muito satisfeito com o vosso empenho", declarou o Presidente guineense, para salientar que o pessoal médico "deve ser visto como combatente" pelo desenvolvimento da Guiné-Bissau.

O chefe de Estado enfatizou que o pessoal médico "deve ser acarinhado", não só pela forma como tem vindo a lidar com a covid-19, mas por ter preferido ficar no país "quando muitos decidiram partir" para o estrangeiro.

O líder guineense aproveitou a ocasião para apelar para que a classe médica seja "mais bem organizada", lembrando que tem como papel fundamental salvar vidas humanas.
"Quero apelar ao Bastonário da Ordem dos Médicos para que organize a classe. Que o ginecologista trate das mulheres, urologista trate dos homens, pediatra cuide de crianças e que o generalista consulte toda a gente, agora não podemos aceitar que sejam feitos ensaios no corpo de pessoas porque em caso de erro medico é morte certa", defendeu Embaló.

O Presidente guineense exortou o ministro da Saúde, António Deuna, que o acompanhou na visita ao Simão Mendes, que não pode ser permitido que um estudante mal saia da universidade entre diretamente a consultar pessoas.
"Vou ser implacável com isso", declarou Sissoco Embaló, frisando que a Saúde e a Educação sempre foram a sua prioridade enquanto servidor público.

Embaló disse que vai falar com outros países para que disponibilizem médicos especialistas reformados para que venham apoiar o sistema de Saúde guineense.
"Por exemplo no Senegal, um especialista vai à reforma aos 60 anos, é uma idade que a pessoa ainda pode trabalhar aqui", observou o líder guineense, que promete também formar quadros médicos no estrangeiro.
A Guiné-Bissau regista 43 mortos e 2.419 casos da covid-19.
Rispito.com/Lusa, 13/11/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público